Chacina no Rio, mais uma. A pandemia só não basta!

por Sulamita Esteliam

O Universo, sem dúvida, é ótimo em armar pegadinhas. A quinta-feira gorda previa um dia de paz para capricornianos.  Uma brincadeirinha boa lá no Twitter.

Entrei na vibe e respondi que “tô de boa com a paz…” e contei minha manhã, em que me ocupei em caminhar 9 km, dos quais 7,5 na areia, sozinha, e depois me entreguei ao ócio.

Dispus-me a tirar o dia de folga, passando ao largo da CPI do Genocídio e das notícias ruins.  Nisso estava. Esqueci-me que no Brasil desse quadrante é impossível relaxar.

E isso em plena vigência de proibição da Suprema Corte de batidas em favela durante a pandemia.

O Zé e a Maria Povinho neste país é mesmo um lascado, desde sempre. Mas agora a coisa está anos luz mais feia.

A Rede de Observatórios de Segurança denuncia e repudia a barbárie que toma conta do Rio. Em nota, exige respostas do governador Cláudio Castro (PSC) e do STF “diante das cenas chocantes da operação mais sangrenta do Rio de Janeiro” e da “escalada da letalidade das ações policiais” no estado.

Só no primeiro trimestre deste ano, a Rede de Observatórios registrou 19 chacinas policiais , com 71 mortos.

A íntegra da nota está aqui.

Deixo ao colega editor do Tijolaço, a análise do que ocorreu, ele que é filho do Rio, habita e conhece bem aquelas terras, pode falar com a devida propriedade. Para ele, o “massacre” é fruto de uma “operação vingança, sem comando”.

Transcrevo:

Massacre no Rio

por Fernando Brito – no Tijolaço

Jacarezinho - rj - Tijolaço

Tudo indica que a incursão policial ocorrida hoje, na comunidade do Jacarezinho, no Rio, com o saldo inacreditável de 25 mortos confirmados até agora, terminou numa “operação-vingança”por falta de comando dos policiais, depois da morte de um deles – André Leonardo de Mello Frias, de 45 anos.

É provável que a contagem de corpos suba, porque o tiroteio contava até minutos atrás e relatos de moradores digam que há mais mortos.

Há muito o que apurar nisto: a operação foi coordenada por um órgão policial normalmente ausente destes confrontos: a Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente, sob o argumento de que traficantes aliciavam menores para o tráfico de drogas, algo que acontece há décadas no Rio de Janeiro, sem que se tenha notícia de que o órgão tivesse confrontos deste tipo.

Logo no início da ação iniciada bem junto ao local onde passam, lotados, os vagões do Metrô e os trens urbanos, lotados àquelas 7 horas da manhã, o policial foi atingido por um tiro e a incursão policial virou uma chacina.

Jornalista que já acompanhou ações policiais sabe o grau de comoção que acontece nestes momentos, especialmente quando não há comando capaz de deter a onda de fúria que toma conta dos agentes, em tese, da lei.

Agora há pouco diz que todos os outros 24 mortos eram traficantes. Mas não os identificaram, providência secundária quando todos são pobres, pardos ou negros.

Os moradores, porém, dizem que foi um espetáculo “iraquiano”, com invasão de casas, fuzilamentos a queima-roupa e corpos arrastados do local das mortes. Além disso, com requintes sádicos, alguém colocou um jovem negro, morto, sentado numa cadeira de plástico, com um dos dedos na boca, como uma criança. Lógico que isso não é “posição de combate”.

É de massacre.

*******

Postagem revista e atualizada às 22:36 para inclusão da nota da Rede de Observatórios de Segurança.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s