A cloaca do racismo

por Sulamita Esteliam

Devo confessar que não li o artigo e desconheço o autor. Mas a indignação, ainda bem, e zuada nas redes foi tamanha, que vou abrir mão de comentar outros assuntos para começar a semana falando do óbvio e ululante, da última reinvenção da Falha SP, do que não existe: racismo reverso.

O que é inegável é a cloaca do racismo à brasileira, cada vez mais asquerosa e fedorenta – bem desenhadinha pelo talento do Nando Motta, que compartilho, obrigada.

Como não li o texto original, não assino o jornal, atenho-me ao axioma ou sentença enunciada.

Transcrevo artigo brilhante de Fábio Horácio-Castro, escritor premiado. Ganhou o Sesc de Litertura 2021 com o romance O Réptil Melancólico, editado pela Record.

Domingo Reverso

por Fábio Horácio-Castroem seu blogue

A gente acaba perdendo a paciência. Eis que a Folha de São Paulo publica (mais) um artigo sobre “racismo reverso”. Desta vez um texto do Antonio Risério, intitulado “Racismo de negros contra brancos ganha força com identitarismo“.

E ainda querem que acreditemos que há inteligência crítica na grande imprensa brasileira.

“Racismo reverso”, ou melhor, racismo de negros contra brancos, é uma ficção do fascismo brasileiro. É uma fantasmagoria irrisória. Poderia dizer que é patética, porque não se sustenta, mas é preciso dizer que, na verdade, é canalha e cruel, porque visa a renovar e, portanto, a perpetuar, a opressão racista. Me dei ao trabalho de ir ler esse artigo. Um monte de frases soltas, reunidas para chamar atenção para o termo. O autor é um antropólogo sem antropologia. O jornal dispensa o jornalismo. Só o racismo resta efetivo.

“Racismo reverso” não existe, nunca existiu e, simplesmente, não pode existir. Não pode existir porque o racismo é um instrumento de controle, de opressão e de submissão ideológica produzido no contexto de uma luta de classes que, na história do Brasil, sempre significou o controle dos negros pelos brancos. Estruturalmente, nunca houve negros oprimindo brancos, e é por isso que não se pode falar nesse disparate. Dizendo de outra maneira, “racismo reverso” é apenas mais uma forma de racismo.

Sem nenhuma surpresa, percebemos que o autor, branco, não tem um único exemplo, uma única experiência pessoal de ter sido vítima de racismo reverso para contar.

Eu, que sou branco, também não teria um único exemplo a dar, mas poderia oferecer milhares de exemplos de como o racismo me foi oferecido, pela sociedade em que vivo e da maneira mais indigna possível, como instrumento de poder.

A Folha também não tem um único exemplo a dar de “racismo reverso”. O que ela quer é oferecê-lo como instrumento de poder a uma sociedade já bestializada.

O que a Folha quer é, apenas, re-legitimar o velho mote de que o Brasil é uma “democracia racial”, uma das maiores autoficções da inteligência brasileira, em todos os tempos.

Toda solidariedade aos movimentos negros. Vamos trabalhar para destruir essa falácia.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s