Magia e desafio do palíndromo e números mestres

por Sulamita Esteliam

Gosto de números, sempre gostei.  Deveria estudar a cabala, porque é ciência da mágica dos números, de onde brota a numeralogia cabalística. Pura aritmética, conta de somar para reduzir: noves fora… e revelar o que cada um traz consigo, na data de nascimento e escolha do nome.

Amo o número 7, que dizem ser conta de mentiroso, mas é meu número de sorte; assim diz o Tarô e o Livro dos Anjos. Sou Damabiah, o primeiro Anjo da falange de Gabriel, o Anjo 65, que somado dá 11, que é um número mestre, e não se soma.

O 7 é considerado o número místico, desde tempos imemoriais. É um número sagrado, mágico, “perfeito e poderoso”, segundo o matemático Pitágoras, o criador da numeralogia.

Para quem crê em Deus, é o número da criação: e no sétimo dia descançou…

O 9 é uma constante na minha vida, a começar pela soma das letras do meu nome e do ano em que nasci.  É uma baita responsabilidade, pois carrega toda a experiência dos números anteriores. 

Segundo a numerologia, é o número da plenitude espiritual, do amor, da sabedoria, da solidariedade e da compaixão. Mas também é o tudo e o nada. Como diria meu velho guru Marcelo Guimarães, “todas as possibilidades”.

Por coincidência ou não, meu número de celular também é eivado de noves.

E não posso me esquecer do 4, que é a conta de chegar da minha data de nascimento completa, a de fato. Também chega em quatro o partido que escolhi para chamar de meu, que é 13. E 4 é o número do trabalho.

Os números mestres são poderosos pelo poder energértico multiplicado pela repetição. São números muito positivos, mas carregados de desafios, e exigem que a pessoa que os carrega faça por merecer. Além do 11, são mestres os números 22, 33, 44… 

Palavra da numeralogia.

Sim, por que resolvi escrever sobre números e numeralogia? Por que a última terça-feira deste mês fevereiro resulta num palíndromo; significa que pode ser lido da esquerda para a direita e vice-versa, naturalmente: 22.02.2022.

Palíndromo, dizem cientistas e numerólogos, também são mágicos. E tudo que precisamos nesse mundo, sobretudo neste pedaço de mundo chamado Brasil, é magia: a magia do esperançar.  E este é o último palíndromo da década.

Mas, lembre-se: temos que fazer por onde, fazer acontecer. É o desafio-mestre. 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s