Denúncia de propina derruba o desministro da Educação. Enquanto isso, no LollaPalooza…

por Sulamita Esteliam

De escândalo em escândalo, o desgoverno do Coisa Ruim vai chafurdando no buraco escuro de onde nunca deveria ter emergido, para infortúnio do Brasil. A semana começa com a queda do desministro da Educação, o negociador de verbas a preço de ouro e bíblia.

O problema é que o mandante, aquele que botaria a cara no fogo pelo ministro-pastor, fica. Permanece acumulando sandices, desmandos, mentiras, desmantelos e abusos de poder. Porque as institutições deste país, como se sabe, funcionam perfeitamente, desde 2016 especialmente.

O ministro foi gravado confessando que favorecia pastores evangélicos na distribuição de verbas do Fundo Nacional da Educação, a mando do ocupante da cadeira presidencial. Um prefeito denunciou que o pastor teria pedido ouro em troca de designação de verbas para educação no município.

Não bastasse, foi flagrado em farta distribuição de bíblias com fotos suas e dos pastores Gilmar Silva dos Santos, presidente da Convenção Nacional de Igrejas e  Ministros das Assembleias de Deus do Brasil, o ungido. O outro apaniguado é seu assessor Arilton Moura.

Corrupção é a palavra, com todas as letras e variedade de formas. Já imaginou o que Jesus faria com essa raça a cuspir sobre seu nome e a poluir o templo?

O ex-ministro é o terceiro que se vai na Educação, em menos de quatro anos de desmonte da máquina pública, do MEC em particular. Sem contar o que foi nomeado e não assumiu por que descobriu-se que fraudara o currículo, o que também é comum nesse desgoverno.

Comparável só mesmo o Ministério da Saúde, por onde também já passaram três, fora uma desconvidada. E o que permanece já até tirou seu diploma da parede, mas largar o posto nem pensar…

No fim de semana, regurgitou a tentativa grotesca de censura no festival LollaPalooza, em São Paulo, por iniciativa do PL, o novo partido do Coisa Ruim. Acusaram Pablo Vittar e outros artistas de fazer propaganda eleitoral para Lula.

Ora, trata-se de liberdade de expressão, uma vez que não representam candidatos nem partidos. É portanto, fora da área de ingerência do tribunal eleitoral.

É censura mesmo, por desespero de causa.

Desviar a atenção a qualquer preço é tática manjada. Só que desta vez o tiro saiu pela culatra: o grito de “fora” você sabe quem se multiplicou em quantidade e volume.

Até o presidente do TSE já sinalizou levar o julgamento da liminar, “imediatamente”, para o pleno. E assim corrigir a rata do ministro concessor, que tentou coibir a livre manifestação do pensamento num festival internacional com dezenas de artistas e milhares de pessoas, a maioria jovens.

Este ano promete…

*******

Fontes requisitadas:

GGN

PT.Org

Revista Fórum

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s