Eutrópio Édipo escreve: ‘Olinda, uma quase explicação’

por Sulamita Esteliam

Meu amigo olindense, que na verdade nasceu em Paulista, tem um bordão imbatível nas ondas do rádio: “Meu nome é Eutrópio Édipo, mas não é culpa minha.” Adoro!

Advogado, fundador do Gajop – Gabinete de Assessoria Jurídica às Organizações Populares, professor de inglês, filósofo e bon vivant, é um lorde por excelência.

Junto com Ruy Sarinho, em meados dos anos 80 do século passado, criou o Violência Zero. Programa de rádio transmitido ao vivo de mercados, feiras e praças públicos sobre direitos humanos; em 2010, Euzinha tive, e hoje volto a ter, a honra de apresentar.

Agora sob o viés da Literatura, e como quadro que abre o Programa Banco de Feira, sobre cultura popular, criação do Sarinho. Hoje com o incentivo muito bem-vindo do Funcultura/Fundarpe/Secretaria de Cultura/Governo do Estado de Pernambuco.

O texto que publico com sua autorização é parte do Livro de Olinda, de Manoel Neto. Vai assim fora de pauta, para fechar as celebrações dos 487 anos da cidade-mulher, irmã quase gêmea do Recife 485 anos.

Olinda – uma quase explicação

por Eutrópio Édipo

Mas o que é esta cidade? Serão seus edifícios, suas casas, seus sobrados? De que é feita esta cidade? Será de colinas e montes, será de praias e céu claro, será de praças e jardins? O que tem esta cidade? São as igrejas centenárias, são as ruas estreitas e sinuosas, são os gigantes bonecos do carnaval, ou alguma coisa além?

Não sei. Mas deve haver algo mais marcante e misterioso, mais tocante e silencioso que paira no ar e lhe dá o encanto único. A nós, nos traz a certeza de a ela pertencermos, a sensação de aconchego do colo materno. Porque existe a diferença entre o simples habitar qualquer lugar ou aqui viver como olindenses.

O poeta já havia registrado os versos famosos:

“Olinda é só para os olhos,
não se apalpa, é só desejo.
Ninguém diz: é a que eu moro.
Diz somente: é lá que eu vejo.”

Não fosse a rima, bem que Carlos Pena gostaria de ter afirmado: “Diz somente: é lá que eu sinto.” Porque, sabia o poeta, Olinda é mais sensações que visões. É mais coração que olhos. É mais sentimento que paisagem. Ela é o intagível que sobrepuja a razão. Se não, como explicar o amor tão intenso que, por ela, sentimos?

Talvez tenhamos o mesmo carinho de filhos cuidando da mãe velhinha, temendo perdê-la a qualquer momento. Então, exaltamos suas belezas e embaçamos os olhos a suas mazelas, em exercício cotidiano de idealização que, mercê do repetir-se constante, concretiza-se em verdade absoluta, estendendo-se por gerações.

Pode não ser isto, também. Talvez seja um ecoar de distantes canaviais teimando em permanecer em nossas cabeças e tocar em nossos corações. Lá vem o Homem da Meia Noite; Cariri já saiu; olha lá Pitombeira e Elefante; Vassourinhas desceu a ladeira. Resistir, quem há de?

Quem sabe não serão as estórias de Patu, o Arthur das indignações, a resistência de Alceu? Talvez sejam as tintas dos nossos maravilhosos artistas incansáveis no seu retratar. Lembrei de Bajado na janela. Será isso ou não será?

Pode ser até a sua sempre complicada política, os grandes embates eleitorais, as conquistas populares, as suas favelas de povo decente e trabalhador, que jamais escutou o canto gregoriano dos monjes. Pode ser?

Não sei. Um “cogue” um dia me perguntou porque falávamos tanto sobre Olinda, gostávamos tanto de Olinda. Calei. Olhei pra ele e arrisquei: “Você não vai entender.” Aí, ele entendeu. Porque do que se ama não se cobram explicações. Até porque explicações não há. Olinda é.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s