Zema, o traíra e a censura na Rede Minas

por Sulamita Esteliam

Soube pelas redes sociais, via perfil Jornalistas de Minas, que a Rede Minas censurou a entrevista do Guilherme Boulos (PSol), líder do Movimento dos Sem Teto e deputado federal mais votado em São Paulo, transmitida na última segunda-feira.

A ideia preliminar era escrever sobre o resultado eleitoral em Pernambuco e em Minas, mas esse fato do dia me fez mudar o curso.

O Sindicato dos Jornalistas cobrou explicação da empresa pública – diferente de estatal – pela quebra do direito à informação, o que é inconstitucional. A direção da TV saiu-se com desculpa esfarrapada de manter-se “isenta no período eleitoral”, já que Boulos é um dos coordenadores da campanha de Lula à Presidência da República.

A denúncia repercutiu mal e, no início da noite desta terça, a Secretaria de Cultura e Turismo, à qual a emissora está subordinada, voltou atrás e anunciou que veiculará a entrevista no próximo dia 6 de outubro, quinta-feira, às 22 horas.

Tudo nesta vida tem consequências. Ao cumprir seu papel, o Sindicato dos Jornalistas ateou fogo no cabaré do Zema. Dizem que o fogo purifica.

Só que esse jeito sorrateiro de fazer política é aprovado pela maioria dos mineiros e mineiras que reelegeram Romeu Zema (Novo) no primeiro turno. Sem direito a dúvida. Ainda que tenha dado maioria a Lula no estado.

O agradecimento do governador se deu esta manhã, com declaração de apoio ao Coisa-ruim que disputa o segundo turno às eleições presidenciais justamente com Lula, do PT.

Também no Twitter, o perfil Operária Diplomada, da jornalista Eneida da Costa, cravou a ironia:

Alexandre Kalil, candidato ao governo apoiado por Lula, também registrou a desfaçatez:

Trairagem da grossa. O governador de Minas chegou ao desplante de fazer campanha associando seu nome ao de Lula, quando sabidamente é do time do Inominável.

É o que mostra vídeo-denúncia de eleitor de Belo Horizonte, datado de 30 de setembro, publicado no perfil de André Janone, deputado eleito pelo Podemos, e coordenador da campanha digital do candidato do PT e aliados:

Janone diz que os tais baners foram espalhados por Minas inteira. E garante que não há motivo para se preocupar, porque o “Luzema” é real:

Ou seja, a traíragem é fato. No caso, resta ao eleitor mineiro “Luzema” devolver o desaforo, do jeito bem direto e produtivo: fazendo campanha para dobrar a votação de Lula nas Gerais. Até porque, não adianta chorar sobre o leite derramado nem reclamar com o papa.

*******************************************************************************

contribuicoes 2

2 comentários

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s