Luis Nassif escreve: ‘Dias decisivos para a democracia’

por Sulamita Esteliam.

Eis que todo e toda requenguela se acha no direito de pregar o golpe, armar contra a democracia e a vontade popular, legitimada pelo voto.

Vale até pedir socorro a alienígenas. Parece, e é ridículo. Mas o delírio é real e tem que ser extirpado com doses constitucionais de realidade.

As autoridades dignas do nome nesta República têm que tomar providências e enquadrar os geradores e alimentadores do caos.

Dito isso, o A Tal Mineira transcreve artigo do colega jornalista, que traduz as preocupações desta escriba, e que deveriam ser todas as pessoas de bom senso neste país.

Impasse só será desfeito a partir da posse de Lula, com renovação do Alto Comando e aposentadoria de quem endossa golpismo

por Luis Nassif – no GGN

Prepare-se para um aumento de tensão nas próximas semanas, pelo menos até a posse de Lula.

Há um movimento de gerações de fake news, sim. Mas alguns sinais significativos de que esse festival de gravações e notícias visa criar iniciativas golpistas no setor militar.

Nos últimos dias, apareceram declarações dúbias de Braga Netto, general da reserva e candidato a vice-presidente de Bolsonaro. “Vocês não percam a fé, é só o que eu posso falar para vocês agora”, disse Braga Netto a militantes que permaneciam na entrada da Alvorada. “A gente está na chuva, no sufoco”, disse uma das manifestantes. “Eu sei, senhora. Tem que dar um tempo, tá bom?”, completou Braga.

Foram divulgadas notícias, também, do quartel general da campanha de Bolsonaro, aparentemente transformado em ponto de confluência de golpistas.

Ontem, circulou um áudio atribuído a Augusto Nardes, Ministro do Tribunal de Contas da União, e com histórico antidemocrático, acendeu luz amarela no mundo político. Parlamentares deverão convocar Nardes para explicar na Câmara o conteúdo das declarações.

Em 1964 havia grande agitação popular. A iniciativa do general Olímpio Mourão Filho, que comandava uma guarnição em Minas Gerais. Além de golpista, era gerador de fake news: foi o autor do Plano Cohen, uma falsificação visando alimentar um golpe de estado. Antes de 1964, houve outra tentativa de insurgência militar, no governo JK, contida por um militar legalista, Marechal Lott.

Hoje em dia, há um conjunto de fatores desestimulando um golpe militar, da desaprovação da comunidade internacional à de setores empresariais e da mídia, além da resistência do Supremo Tribunal Federal. Por outro lado, há agitadores, como o general Braga Netto, provavelmente explorando o antipetismo da tropa.

Por cima de tudo, uma profunda desinformação sobre a tendência das Forças Armadas. Houve um Estado Maior demitido por Bolsonaro, por se recusar a endossar o golpe de 7 de Setembro do ano passado. E agora?

Os próximos dias serão decisivos para se saber o destino da democracia brasileira e o papel das Forças Armadas, se retomando o profissionalismo ou cedendo a um novo ímpeto golpista.

Esse impasse só começará a ser desfeito a partir da posse de Lula, com a renovação do Alto Comando e a aposentadoria de quem endossar movimentos golpistas.

*********************************************************************************

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s