Amparar para pôr fim à violência contra a mulher

por Sulamita Esteliam

feminicidiobasta600-250x300Colho boas notícias no sítio da Agência Patrícia Galvão, todas relacionadas à busca da efetividade no combate à violência contra a mulher. Trata-se de medidas indispensáveis ao atendimento às vítimas, não só de violência doméstica, como também ao tráfico de mulheres para exploração sexual em regime de escravidão.

Escolho a principal delas, e explico por quê: não há como combater a violência sexista sem rede de apoio, traduzida na presença do Estado no atendimento e acolhimento das vítimas com qualidade – aqui, aqui e aqui neste blogue.

A Casa da Mulher Brasileira, enfim, caminha para sair do papel. Um ano após o lançamento do programa Viver sem Violência, pela presidenta Dilma Roussef e pela ministra Eleonora Menicucci, da SPT-PR -Secretaria de Políticas Públicas para Mulheres, vinculada à Presidência da República.

O espaço vai concentrar serviços essenciais ao atendimento às vítimas de violência doméstica e sexual. Atendimento especializado por profissionais capacitados e acolhimento humanizado. Eis o “tripé” da política pública que integra o Pacto Nacional de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres.

O programa requer participação ativa dos estados, capitais e municípios-polo da federação.

Dezoito dos 26 estados, incluído o Distrito Federal, já aderiram: Alagoas, Amazonas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraíba, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Roraima, Santa Catarina, São Paulo e Sergipe. Os demais seguem em negociação.

A ideia é de uma casa em cada capital, mais sete centros especializados nas fronteiras secas, mais 54 ônibus para mulheres do campo e da floresta.

Estão previstas, também – o nome é infeliz -,“cadeias de custódia” para acolhimento de vítimas de violência sexual em hospitais referenciados pelo SUS. Na região Norte e na bacia do São Francisco, barcos, naturalmente que aparelhados, cumprirão esse papel.

Através do programa, o Estado concentrará nesses locais serviços públicos de segurança, justiça, saúde, assistência social, acolhimento, abrigamento e orientação para trabalho, emprego e renda. Esforço conjunto dos diferentes ministérios, coordenados pela SPM-PR.

Espaço exclusivo, atendimento especializado por profissionais capacitados e acolhimento humanizado: é com este tripé que a nova política pública para coibir a violência contra as mulheres no Brasil espera enfrentar as agressões sexuais.

A secretária de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres da SPM, Aparecida Gonçalves, contextualiza: “A violência sexual é a mais cruel forma de violência depois do homicídio, porque é a apropriação do corpo da mulher – ou seja, alguém está se apropriando e violentando a única coisa que te pertence. Então, muitas vezes, a mulher que sofre esta violência tem vergonha, medo”.

Clique para saber mais no sítio Compromisso e Atitude.

Conheça também a experiência gaúcha com a “Sala Lilás”.

Para além do incentivo à denúncia, o que se quer com o programa é que a melhora na rede de atendimento. O fim da impunidade requer que a mulher siga adiante, não apenas mantendo a acusação. É indispensável que ela se sinta amparada, fortalecida para prosseguir com a vida.

Casa da Mulher Brasileira


4 comentários sobre “Amparar para pôr fim à violência contra a mulher

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s