Palavra do papa: mídia deturpa, calunia e desinforma

Papa Francisco e a midia golpista

por Sulamita Esteliam

Sexta à noite, a querida professora Bernadete Lage, amiga conquistada no ativismo pelos direitos humanos,  me deu a honra de um convite para jantar em sua casa – um peixe delicioso, que ela própria fez.

A certa altura da conversa, da qual participava um mestrando de História, Rômulo Marcolino, que também milita na causa, o assunto foi o papa Francisco, sua humanidade, e o crucifixo que recebeu de presente do presidente Evo Morales, que impõe a cruz sobre uma escultura que agrega a foice e o martelo, símbolo do comunismo.

A mídia venal quase pira.

Tive que confessar que a mim as atitudes do papado de Francisco surpreendem. Já o fiz, aqui mesmo no blogue, mas não me canso de dar a mão à palmatória. Fui crítica ácida quando da sua escolha.  E desconfiei quando optou por tornar-se Francisco, em louvor ao santo de Assis, que pregou a humildade, a caridade e o amor aos bichos de Deus, homem incluso.

Errei, sim. Ainda que ele seja um excelente estrategista da comunicação, habilidade que a igreja andava carecendo para recuperar terreno nos corações dos crentes.

Viva Francisco!

Pois que em sua recente visita à Bolívia, o papa tornou a manifestar-se, com vigor,  contra a concentração da mídia. A imagem acima resume a primeira fala dele, a respeito, num encontro com rádios católicas, em março do ano passado. Capturei no Twitter do mineiro @Turquinho, de novo.

Desta vez,  Francisco falou no Encontro Mundial de Movimentos Populares, em Santa Cruz de la Sierra. Ele também acusou os efeitos do monopolismo sobre a qualidade da informação, sobre a verdade. E voltou a enfatizar o impacto perverso da manipulação sobre a vida das pessoas, das nações, sobretudo as mais pobres – gente e países. Referiu-se ao capitalismo como uma “ditadura sutil”.

O amigo Altamiro Borges, jornalistas e blogueiro “sujo”, que presidente o Centro de Estudos de Mídia Barão de Itararé – que nos abriga a todos – escreve a respeito. Vale à pena ler. Luiz Carlos Azenha também enfoca o assunto no Vi o Mundo.

Transcrevo de Borges no Blog do Miro:

Papa critica concentração na mídia

por Altamiro Borges

PapaEvo02A visita do papa Francisco à Bolívia nesta semana deve ter desagradado os barões da mídia. Não é para menos que vários veículos tentaram desviar a atenção destacando o factoide do “crucifixo comunista” dado de presente ao pontífice pelo presidente Evo Morales. Num dos discursos mais incisivos do seu papado, ele disse: “A concentração monopolista dos meios de comunicação social que pretende impor padrões alienantes de consumo e certa uniformidade cultural é outra das formas que adota o novo colonialismo. É o colonialismo ideológico. Como dizem os bispos da África, muitas vezes pretende-se converter os países pobres em ‘peças de um mecanismo, partes de uma engrenagem gigante'”.

No seu conjunto, o discurso do papa foi bastante enfático. Ele tratou da mídia ao abordar as variadas formas do colonialismo na atualidade. “Às vezes, é o poder anônimo do ídolo dinheiro: corporações, credores, alguns tratados denominados ‘de livre comércio’ e a imposição de medidas de ‘austeridade’ que sempre apertam o cinto dos trabalhadores e dos pobres… Noutras ocasiões, sob o nobre disfarce da luta contra a corrupção, o narcotráfico ou o terrorismo – graves males dos nossos tempos que requerem uma ação internacional coordenada – vemos que se impõem aos Estados medidas que pouco têm a ver com a resolução de tais problemáticas e muitas vezes tornam as coisas piores”.

Esta não é a primeira vez que o papa Francisco crítica a mídia monopolista. Em março de 2014, ele já havia apontados alguns “pecados” da imprensa. Numa audiência para as emissoras católicas da rede Corallo, o pontífice afirmou: “Hoje o clima midiático tem suas formas de envenenamento. As pessoas sabem, percebem, mas infelizmente se acostumam a respirar da rádio e da televisão um ar sujo, que não faz bem. É preciso fazer circular um ar mais limpo. Para mim, os maiores pecados são aqueles que vão na estrada da mentira, e são três: a desinformação, a calúnia e a difamação”.

Naquela ocasião, a mídia internacional e nativa também abafou as críticas do papa. Como ele mesmo havia realçado, um dos maiores “pecados” da imprensa é a desinformação. “A desinformação é dizer as coisas pela metade, aquilo que é mais conveniente. Assim, aquele que vê televisão ou ouve rádio não pode ter uma opinião porque não possui os elementos necessários”. Agora, novamente, jornais, revistas e emissoras de rádio e tevê ofuscam suas reflexões mais profundas e destacam apenas alguns factoides. Se existir inferno, os barões da mídia já terão o seu lugar reservado ao lado do capeta!

******************

PS1: Devo desculpas pela ausência do blogue nos últimos dois dias: o dia ficou curto. Agradeço a compreensão. E vamo que vamo…

PS2: postagem revista e atualizada às 23:22: correção da troca de letras que resultou em erro de concordância verbal na primeira linha do quarto parágrafo da introdução: “surpreendem” e não “surpreendeu”.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s