O prato preferencial da mídia é sopa requentada

por Sulamita Esteliam

Passei tarde e boa parte da noite enrolada com uma série experimentações para mudanças na cara do A Tal Mineira,  que completa 5 anos nesta sexta-feira, 11 de setembro. Mesmo com o auxílio luxuoso da minha caçula, Bárbara, acabei retardando o horário de chegar ao blogue.

E este é o dia em que Gilmar Mendes, o “supremo” ministro, como o define a colega Cynara Menezes, do Socialista Morena, saiu de cima do processo sobre a constitucionalidade do financiamento privado de campanhas políticas.

Não por acaso, um dia após a Câmara reaprovar a lei ordinária que mantém o procedimento, derrubado semana passada pelo Senado. Artimanhas de Eduardo Cunha e seus miquinhos adestrados.

O ministro estava sentado sobre o processo há um ano e cinco meses, quando pediu vistas. Àquela altura, a maioria dos seus pares já havia votado para acabar com a farra. A reabertura da votação está prevista para o dia 16. A conferir.

Ilustração capturada no Conversa Afiada
Ilustração capturada no Conversa Afiada

Entretanto, o prato preferencial da mídia nativa, desde ontem, é o tal rebaixamento do Brasil pela empresa de classificação de risco a S&P. Sopa requentada.

Sim, a S&P é aquela mesma, agência de  reputação duvidosa lá, mesmo, no mercado e na Justiça estadunidense.

Para não avançar sobre o o dia seguinte, compartilho artigo  de Jeferson Miola a respeito, publicado em Carta Maior. Jeferson integra o Instituto de Debates, Estudos e Alternativas de Porto Alegre, e coordenou o 5º Fórum Social Mundial.

Sobre o assunto, vale ler, também, a entrevista da presidenta Dilma Roussef, ao jornal Valor Econômico – clique para ler a análise dos principais trechos por Fernando Brito, no Tijolaço.

O ex-presidente Lula também falou sobre o assunto.  Diretamente da Argentina, onde recebeu dois títulos de doutor Honoris Causa, e teve UPA inaugurada com seu nome, dentre outros compromissos.

Ao artigo:

O rebaixamento é um alívio para o governo

O governo deveria aproveitar a oportunidade para refundar a política econômica, liderando um chamado nacional para a retomada do desenvolvimento.

Jeferson Miola

 

SPO rebaixamento da classificação de crédito do Brasil é, naturalmente, uma notícia incômoda para o governo. Mas também é um fator de alívio, como aquele espinho minúsculo encravado no pé e que, uma vez removido, permite caminhar sem mancar.

A oposição e a mídia oposicionista, compreensivelmente, fazem um escarcéu; pintam o fim do mundo; tratam como a escala no purgatório da passagem para o inferno.

A vida real e terrena, entretanto, não condiz com esse alarmismo. O carnaval político-midiático serve apenas para desestabilizar ainda mais o ambiente político-institucional e para assanhar a insaciável orgia especulativa. E é pretexto para a agitação golpista do impeachment.

Nem uma besta cairia na esparrela da “revoada incontrolável” de investidores e investimentos sérios para fora do Brasil. Qualquer ser humano em estágio elementar de consciência sabe que a saúde macroeconômica do Brasil é muito maior que esta dificuldade momentânea – só em reservas cambiais, são mais de 370 bilhões de dólares. O Brasil está longe da tragédia alardeada pelos cínicos que, quando governaram, não conseguiram elevar a classificação do país para nação com grau de investimento, como Lula logrou fazer em 2008.

O rebaixamento é um fator de alívio da pressão política; com ele, desaparece a espada de Dâmocles que chantageia o governo com a ameaça da perda do grau de investimento.

O rebaixamento é a última profecia da crise econômica provocada pela agenda e pelo discurso do ajuste que não conseguiu, aliás, entregar nenhuma das suas promessas: a inflação subiu, os juros são pornográficos, o desemprego é crescente, a economia paralisada e contraída, a arrecadação em queda, desinvestimento, PIB negativo e, agora, caída para o grau especulativo.

A notícia do rebaixamento, neste sentido, encerra o ciclo de surpresas econômicas. É a última novidade bombástica que faltava surgir. O repertório do debate político, daqui em diante, será a redundância dos problemas econômicos bem conhecidos.

O governo chegou, finalmente, no pior lugar que poderia ter chegado. A partir de agora, o preço a pagar e o castigo político terá pouca variação. A popularidade do governo será idêntica com um déficit orçamentário tanto de 0,5% como de 1%, 2% ou de 3%.

Para a estabilidade política e institucional, entretanto, é preferível suportar um déficit administrável no curto prazo, do que cortes nos orçamentos obrigatórios das áreas essenciais. O comprometimento das verbas do SUS, do FIES, Bolsa Família, MCMV, Pronatec, Prouni, emprego etc, lançará o governo em rota de colisão contra o principal pilar da sua legitimidade, justo no momento que necessita apoio popular para frear a marcha golpista.

A continuidade da recessão, a piora das condições de emprego e cortes nas áreas sociais poderá comprometer a legitimidade da presidente Dilma e a capacidade de resistência popular para a preservação do seu mandato legítimo.

Há um estoque de remédios eficientes para combater o déficit orçamentário. Um deles, por exemplo, seria a tributação justa de 71 mil ricaços que retêm R$ 1,2 trilhões de patrimônio líquido e que desfrutam da isenção de imposto de renda concedida pelo FHC em 1997. Dessa fonte, viriam aproximadamente 80 bilhões de reais por ano.

No Brasil, a tributação de grandes fortunas e heranças é ridícula. Se fosse equiparada à média da praticada na maioria dos países do mundo, geraria outros 40 bilhões de reais.

Outro remédio seria a cobrança da dívida ativa de mais de 1,4 trilhões de reais devidos ao erário por empresas e sonegadores que abusam de filigranas jurídicas de um sistema legal que favorece a privatização do Estado através da sonegação e da corrupção.

Um quarto medicamento poderia ser oferecido pela Polícia Federal, Ministério Público e Judiciário. Essas instituições, tão céleres e contundentes na Lava Jato, poderiam proceder identicamente na chamada Operação Zelotes, que investiga o sistema de corrupção engendrado por grupos empresariais e de mídia com funcionários do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais do Ministério da Fazenda. O erário poderia recuperar, por aí, os R$ 19 bilhões [três vezes o montante da Lava Jato] que, estima-se, foram sonegados mediante o pagamento de propinas.

Antes de cortar gastos sociais, o governo dispõe de várias alternativas para enfrentar o desequilíbrio transitório das finanças. A austeridade não é um remédio, mas um veneno que agrava o ciclo vicioso da economia.

O governo deveria aproveitar a oportunidade para refundar a política econômica, liderando um chamado nacional para a retomada do desenvolvimento com medidas concretas de estímulo à produção, ao consumo, ao emprego, aos investimentos e à recuperação econômica


2 comentários sobre “O prato preferencial da mídia é sopa requentada

  1. Minha Amiga-Irmã Mineiribucana Sulamita Esteliam,
    Gostei do novo visual/roupa do Blog.
    Mais leve, atraente.
    Neste belíssimo céu azul de sua Boa Viagem, iluminado não apenas pelo sol, mas, sobretudo, por esses seus sorriso/olhar de estrela de um brilho sincero, autêntico, cidadão, ético.
    Precisamos de muitas Sulamitas para nos contrapor àquela “jornalista” húngara, cínica, indecente e sem ética, que distribuiu pontapés de ódio e preconceitos contra crianças e velhos imigrantes vítimas de políticas econômicas das elites mundiais que esmagam as populações mais pobres do Mundo.
    Precisamos de muitas Sulamitas para nos contrapor ao ódio e preconceitos da nossa elite cheirosa brasileira, alienada, comandada e teleguiada pelos oligopólios da comunicação brasileira, saudosos da repugnante ditadura militar de primeiro de abril de 1964.
    O ódio dessa elite burra cheirosa contra os mais pobres, que tiveram acesso a inúmeras conquistas sociais 512 anos após o descobrimento do Brasil, encaminha as pessoas insanas e mais ricas o País para comportamentos semelhantes ao dessa “jornalista”, que prostituiu a sua pena aos meios de comunicação da direita húngara.
    Precisamos, portanto, de muitas Sulamitas-estrelas brilhantes.
    Só não gostei de um coisita no seu Blog: Essa palavrinha “More”, em cima da qual eu tenho que apertar o pitoco do meu computador para ler a matéria por inteiro.
    Prefiro uma palavrinha brasileira.
    Um abraço pernambucano,
    Ruy Sarinho

    1. Obrigada, Ruy querido. Vc e sua generosidade são comoventes. Assegiro-lhe que tbm não gostei “da palavrinha more” que obriga a td visitante-leitor a “apertar o pitoco do computador para ler a matéria por inteiro”. A coisa vem no pacote oferecido pelo provedor, que é estadunidense, sacumé?

      Mas as três da madruga, qdo, depois de testar umas seis ou sete opções, finalmente terminei de personalizar o “tema” escolhido, não tinha mais fôlego para buscar solução.Há pouco, eu e Bárbara voltamos às configurações e novamente não encontramos caminho. Vou ter que pedir ajuda a outros “universitários”, hehe.

      Então, não se aperreie que, se tiver caminho, encontraremos e substituiremos “more” por sua homônima brasileira, ou outra palavrinha ou expressão assemelhada da nossa Língua Pátria.

      Xêro

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s