Relacionamento abusivo: é preciso eliminá-lo de sua vida!

por Sulamita Esteliam

Você sabe o que relacionamento abusivo? Então, vamos conversar a respeito.

Eram dez da manhã quando vi a postagem da minha caçula sobre tema nas redes sociais. Foi buscar longe: um texto de um psicoterapeuta publicado pelo sítio da Apav – Associação Portuguesa de Apoio à Vítima, com sede em Ponta Delgado, na Ilha de São Miguel, Região Autônoma dos Açores.

O título vai direto ao ponto, e me chamou a atenção: Seu jovem namorado não é nervoso, é doente! 

Curti e comentei: tem que espalhar para meninas e meninos também. Transcrevo o texto ao pé da postagem, é didático.

O que eu não sabia é que, como boa comunicadora que é, Bárbara externava sua preocupação com uma amiga, vítima de um relacionamento abusivo, mais um.

E a moça parece não dar-se conta de que está enredada numa teia que tende a sufocá-la, no mínimo.

É mais do mesmo, infelizmente. Mas não tem que ser assim.

Num tempo em que não existia a Lei Maria da Penha, nasci num lar em que minha mãe era vítima de violência doméstica – moral, psicológica, física e patrimonial.  Não creio que o tenha sido de violência sexual, jamais tocou nesse aspecto.

O único relacionamento amoroso que Dirce vivenciou durou seis anos, gerou quatro crianças, e foi uma relação abusiva enquanto durou. Sim, o meu pai amado era o algoz.

Não, não cresci vendo cenas repetidas de violência dentro de casa. Por uma razão simples: minha mãe ficou viúva quando Euzinha, meu irmão e minhas irmãs ainda estávamos na primeira infância. Um marido traído deu cabo no meu pai.

Volto sempre a esse assunto por que fiz do trauma uma trombeta. Aprendi com a minha mãe, que contava os abusos sofridos de peito aberto.

Ela denunciou meu pai à polícia em pleno ano de 1958, mas só o fez quando a sucessão de ocorrências tornou-se insuportável. Sim, ela o amava, perdidamente. E o amou até o último suspiro.

Mais de uma vez escrevi sobre isso. E está no primeiro livro, que resultou numa espécie de terapia pessoal e coletiva, não apenas no âmbito familiar, mas de uma comunidade.

Estação Ferrugem – Vozes, 1998 – é também uma história de violência e resistência política da classe operária num Brasil sob golpe de Estado civil-militar e ditadura.

Certa feita, pincei dele um trecho e transformei numa crônica – Quem ama educa e grita -, publicada no A Tal Mineira e também em Carta Maior, de quem fui colaboradora por um tempo, há alguns anos.

O editor da época, sensível e plugado, me agradeceu pela coragem e pelo desprendimento. Entendo o impulso, mas é porque ele não conheceu a minha mãe.

É que a tendência da vítima – e as crianças de um lar onde vigora o relacionamento abusivo também são vítimas, assim como o são todos os familiares – é culpar-se, envergonhar-se, calar-se.

Meu segundo livro, que está na gaveta há 11 anos, também trata de violência contra a mulher, uma tragédia que parece não ter fim. Em Nome da Filha se baseia em caso real, desta vez acontecido em Pernambuco – leia uma crônica baseada na obra.

O silêncio sobre violência doméstica de qualquer natureza é fruto do medo. E é cúmplice do desespero que se transmuta numa espécie de inferno em vida, quando não leva à morte.

Minha mãe tinha razão em não calar-se.

Vale também para os relacionamentos abusivos entre namorados.

É com esse espírito, de romper com o silêncio e a impunidade, que a ONG Artemis, baseada em São Paulo, conduz a campanha #TambémÉViolência. Nesta terça, 27, houve ato nacional em frente ao Tribunal de Justiça de São Paulo. Trazer à tona o que não pode ser calado.

lei-maira-da-penha_artigo-5lei-maira-da-penha_artigo-7Chama a atenção para os artigos 5º e 7º da Lei Maria da Penha (Lei 11.340/2006), que abrangem e definem todo tipo de violência doméstica: física, psicológica, moral, sexual e patrimonial – vide imagens ao lado.

Uma denúncia pública aos tribunais, representados no TJSP, de que é preciso cumprir, efetivamente, a lei de proteção  da mulher a qualquer tipo de violência.

Se os tribunais só reconhecem a violência física, sobretudo a que causa morte, submete as mulheres alvo de abusos silenciosos e velados a outro tipo de agressão, a violência institucional.

A informação da campanha me chega através da Rede Mulher e Mídia e da Agência Patrícia Galvão. A psicóloga Rachel Moreno, do Observatório da Mulher, da RMM e autora do livro A Imagem da Mulher na Mídia é uma das feministas que emprestam sua imagem à campanha.

Vale à pena acessar o sitio da Artemis, onde você pode saber mais sobre a campanha, inclusive, baixar a cartilha sobre o assunto.

Num rol de 84 países elencados pela ONU Mulheres, o Brasil é o quinto em feminicídio. Os levantamentos indicam que 41% dos casos de violência doméstica se dão em casa e 57% logo após o término de um relacionamento. Estima-se que três em cada cinco mulheres sofreram, sofrem ou sofrerão violência em um relacionamento afetivo nessas plagas.

O ato promovido pela Artemis é o primeiro passo da campanha, que tem o apoio da marca ativista Lush. Conscientizar a sociedade, apontar sinais de violências banalizadas em relacionamentos abusivos e oferecer medidas práticas para ajudar as mulheres vítimas, eis o propósito.

violencia-domesticas_artemis

O seu jovem namorado não é nervoso, é doente!

por Paulo Farinha – Psicoterapeuta


ENVIAR 35 MENSAGENS durante o dia para dizer que te ama e perguntar onde está não é uma prova de amor. É uma prova de que ele é um controlador e que, se você deixa que ele faça e não põe um limite a tempo, a coisa só vai piorar ainda mais.

FAZER PERGUNTAS SOBRE DINHEIRO não é indício de estar atento aos tempos difíceis em que vivemos e reflexo de uma educação de poupança. Falar muitas vezes disso indica, isso sim, que um dia ele vai querer controlar o teu dinheiro. Aliás, se dependesse dele, era ele que geria já a tua mesada. Quanto gasta. Quando gasta. Em que gasta. Quando se der conta, estará pedindo autorização a ele para comprar coisas para você.

PEDIR A SENHA DO TEU E-MAIL ou da tua conta de Facebook não é sinal de que vocês nada têm a esconder um do outro. Não é sinal de que, entre vocês, tudo é um livro aberto. Mesmo que ele insista em dar a senha dele. Isso é um sinal de desconfiança permanente. E um passo grande para o fim da tua privacidade. Sabe o que é privacidade, certo? É um território seu, onde mais ninguém entra. A não ser que você queira.

OS COMENTÁRIOS SOBRE A ROUPA QUE USA ou o novo corte de cabelo não revelam um ciuminho saudável. Revelam que é ciumento. Ponto. Pouco lhe importa se você gosta daquela blusa ou daquelas calças apertadas. Entre os argumentos usados, talvez ele diga que já não precisa se vestir assim, porque isso atrai a atenção de outros rapazes e você já tem namorado. Se não for capaz de lhe dizer, na altura, que se veste assim porque te agrada, não para lhe agradar, pensa que este é o mesmo princípio que leva muitas sociedades a obrigar as mulheres a usar burka… Não é exagero. Controlar o que você veste é exatamente a mesma coisa.

PERGUNTAR A TODA A HORA QUEM É QUE TE TELEFONOU ou ver o teu celular, à procura das chamadas feitas e atendidas e das mensagens enviadas e recebidas não é um reflexo de pequeno ciúme. É um sinal de grande insegurança. Faça o que fizer, dê as provas de amor que der (na tua idade, o amor ainda tem muito para rolar, mas perceberá isso com o tempo), ele sentirá sempre que é pouco. E vai querer mais, e mais. E você terá cada vez menos e menos.

APERTAR O BRAÇO COM MAIS FORÇA num dia em que se chatearam e lhe passou qualquer coisa ruim pela cabeça não é um caso isolado e uma coisa que deva minimizar porque ele estava nervoso. Aconteceu daquela vez e é muito, muito, muito provável que volte a acontecer. Um dia ele estará mais nervoso. E a marca no teu braço será maior. E mesmo que ele «nunca tenha encostado um dedo» em você, a violência psicológica pode ser tão ou mais grave do que a física.

GOSTAR DE VOCÊ, MAS NÃO GOSTAR de estar com os teus amigos não é amor. É controle. E é errado. O isolamento social é terrível. Continuar a telefonar insistentemente depois de você ter dito que quer acabar a relação, ou encher o celular com mensagens pregando amor eterno, não significa que ele esteja sofrendo muito. Significa, sim, uma frustração em lidar com a rejeição. E se pensar em voltar para ele, pense que da próxima vez que isso acontecer ele vai telefonar mais vezes. E enviar mais mensagens.

GUARDAR ESTAS COISAS PARA VOCÊ não é um sintoma da sua timidez. Não quer dizer que seja reservada. É uma estratégia de defesa sua. E um pouco de vergonha, não é? E que tal partilhar isso? Ficaria espantada com a quantidade de amigas que passam por situações semelhantes.

Talvez a sua filha não leia isto. Mas que tal lhe mostrar, para ela pensar um pouco?


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s