O mordomo usurpador faz o lobo do asfalto e o povo…

por Sulamita Esteliam

O mordomo acaba de assinar medida provisória que parcela dívida dos municípios inadimplentes com o INSS, com desconto equivalente à bagatela de R$ 30 bilhões e parcelamento em 200 meses do restante. Coisa pouca, 17 anos para pagar.

A turma do agronegócio também  pode vir a se dar bem, recebendo o perdão do calote de anos e anos na arrecadação do sistema de seguridade social; coisa pouca, R$ 10 bilhões.

O usurpador e a camarilha que tomou de assalto o poder têm que pagar a conta e rápido, ou o TSE pode ser convencido a cortar-lhe a cabeça.

Então, atacam em várias frentes, com o auxílio vergonhoso da mídia, do Congresso mais sujo que se tem na história, e do Judiciário que é parte da lambança.

Como as ruas gritam – e dia 24 os movimentos sociais vão ocupar Brasília, na terceira mobilização de massa em defesa de direitos em menos de um mês – é preciso tomar providências drásticas.

Vale o troca-troca: benesses por votos. Tudo no lombo do Zé e da Maria Povinho.

Quer dizer, vale-tudo para aprovar o desmonte da Previdência Social, a abolição da Lei Áurea, a degola dos direitos trabalhistas, o congelamento dos recursos para saúde e educação por 20 anos.

Então, estamos combinados: vamos fazer de conta que não há o menor problema em tirar dos pobres para dar aos ricos.

O noticiário de hoje fez lembrar de dois vídeos que recebi esta semana pelas redes. Um já conhecia, circula faz tempo – vem e vai… É um resgate sobre o papel da massa trabalhadora, o pobre que carrega a sociedade no lombo;

Quem discursa é Eduardo Marinho, um artista plástico e filósofo de rua. É dele a imagem que ilustra esta postagem. As ruas são sua morada, por escolha.

Uma história pessoal muito tocante e interessante, embora mais comum do que se pensa nas grandes metrópoles, e que está reproduzida na blogosfera.

 

O outro vídeo é do professor da USP, filósofo e jurista, Alysson Leandro Mascaro, palestrante requisitado. A temática central é o tamanho da crise capitalista mundial, desde os 70  do século passado, aos dias atuais.

Mas o que importa à nossa realidade, neste recorte de tempo, e a esta postagem em particular, é quando ele fala de como o sistema, mídia venal incluída, age para nos tornar massa de manobra.

 

 

Os duas análises me fazem lembrar uma historinha, na verdade uma paródia, que recebi num grupo no zap-zap, e que reproduzo, por vir a calhar. Não consegui localizar o autor, que suponho, a tenha postado no FB.

Vamos lá:

Nova história da Chapeuzinho

por André Figo

Chapeuzinho Vermelho chegou na casa da vovó e encontrou o Lobo Mau, que tinha tomado o lugar da Vovó após o golpe parlamentar.

Chapeuzinho estranhou um pouco,a final sua vó estava muito diferente, com atitudes estranhas. Então,ela perguntou:

– Vovozinha, para que essa PEC do teto de gastos?

– É para poder pagar os bancos melhor.

– Vovozinha, para que essa reforma da previdência tão profunda?

– É para sobrar dinheiro para pagar os bancos e para o povo (que pode pagar, observação minha) migrar para a previdência privada.

– Vovozinha, para que essa reforma trabalhista tão dura para o trabalhador?

– Para pagar minha dívida com a Fiesp.

– Vovozinha para que …?

– Aí entra a PM jogando bomba de gás, dando tiro de borracha e gritando:

– Tá perguntando demais! Isso tá parecendo manifestação de sindicalistas vagabundos. Prendam essa criança subversiva.

Chapeuzinho foi presa após levar bastante porrada.

Vovozinha continua desaparecida.

O Lobo Mau passeia livremente, de braço dado com um pato de borracha, gastando milhões no cartão corporativo.

E o povo que seguiu o pato?

Continua fazendo piada e fingindo que está tudo favorável.

 


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s