Tucanos tentam dar sobrevida ao desgoverno rifando o trabalhador

por Sulamita Esteliam

 

Trabalhadores e trabalhadoras de todo o Brasil, liderados pelas diferentes centrais sindicais e pelos movimentos sociais, desembarcam nesta quarta-feira, 24 na capital federal. É o #OcupaBrasília em defesa dos direitos trabalhistas, previdenciários e sociais, e por eleições gerais e diretas para sucessão do desgoverno.

 

 

Num conchavo dos desesperados, o que resta da base aliada do mordomo usurpador tenta, a qualquer custo, dar sobrevida ao moribundo, atolado na própria lambança. Como, aliá, na tradução impecável de Aroeira, para variar.

Foi o que se tentou fazer nesta terça-feira, na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado: passar o trator para acelerar o processo de tramitação do projeto aprovado pela Câmara que degola os direitos trabalhistas.

Projeto de um desgoverno ilegítimo, e em decomposição avançada, é bom frisar. Simular uma sobrevida ao mordomo e sua camarilha, enquanto o tucanato, que se coloca acima de qualquer ser vivo, prepara o desembarque.

Sob a batuta do presidente da Comisssão, Tasso Jereissatti, senador cearense, não por acaso conhecido em sua terra como “coronezin dos zoio azul”.

Certamente por orientação de Jereissati, o relator Ricardo Ferraço (PSDB-ES) quebrou o acordo de cavalheiros dentre seus pares, que era de suspender a discussão do projeto de deforma trabalhista, enquanto não se debela a crise política e moral sistêmica, após o grampeamento do mordomo usurpador.

Após quatro dias de debandada, o relatório foi colocado em pauta na CAE. A oposição obstruiu, e impediu a leitura, dentre outras coisas, porque o rito regulamentar foi quebrado – o relatório sequer foi publicado antes, como manda o regimento interno.

Os ânimos ficaram “exaltados”, na definição de colegas jornalistas, por razões óbvias. E o presidente da comissão e seus parceiros acusam os senadores contrários de “promoverem o ódio”.

A senadora Gleisi Hoffmann responde à acusação: “A oposição não está exaltada, está defendendo o povo”.

Assista ao vídeo transmitido pela TV Senado:

 

Nada mais a cara de tucano do que a dissimulação: posar bem no voo público, enquanto nos bastidores preda o que não lhe interessa.

E a escolha de Tasso Jereissatti para a presidência do PSDB, em substituição ao AhÉSim!, pego com a boca na botija com o pedido descarado da bagatela de R$ 2 milhões como propina, não é de graça.

Jereissatti, de fala mansa e trato aparentemente cortês, é especialista.

Os tucanos preparam seu desembarque do desgoverno Temer, o mesmo que ajudaram a implantar, golpeando o mandato legítimo da presidenta Dilma, e rasgando a Constituição. É o que leio na blogosfera em notícias e análises dos acontecimentos mais recentes.

Mas o fazem de maneira bem peculiar aos habitantes do ninho, esses pássaros de voo curto e bico duro: entregando aos financiadores a encomenda que subsidiou o golpe, acabar com os direitos dos trabalhadores, em favor dos patrões, do tal deus mercado.

O senador Paulo Paim é muito feliz quando observa, em audiência pública convocada por ele no Senado Federal , há coisa de seis meses, sobre esse processo de desmonte que desgoverno e aliados, mídia incluída, chama de “reforma” ou “flexibilização”, que em miúdos quer dizer anulação de direitos.

“Nem na ditadura se mexeu com os direitos dos trabalhadores e aposentados dessa forma”, afirma Paim – vídeo logo abaixo.

Na verdade, sim, o FGTS foi criado em setembro de 1966, e acabou com a estabilidade no emprego, que obrigava o patrão a desembolsar de uma vez indenizações “altas”, em caso de dispensa sem justa causa.

O  FGTS ameniza esse “dispêndio”, permitindo o recolhimento mensal, e abrindo as porteiras para a rotatividade no emprego.

E até isso está em risco, se o Congresso aprova o desmonte da CLT. Quando se cria o trabalho intermitente, a terceirização e a figura do “trabalhador autônomo fixo”,  sem quaisquer direitos, por exemplo. Sem falar no garrote nos sindicatos e, praticamente, a extinção da Justiça do Trabalho.

Acusam a CLT de ser uma lei velha, incompatível com a modernidade. Na verdade, embora venha da década de 40 do século passado (1943), como querem os golpistas e seus miquinhos amestrados, a lei sofreu várias alterações ao longo desses 70 anos. Preserva, entretanto, a espinha dorsal, que garante um mínimo de civilidade nas relações do trabalho.

Ou isso ou a barbárie.

Curioso é que, nessas horas, nesse caso, ninguém compara, sequer lembra, que a Constituição dos Estados Unidos, país e modelo que o complexo de vira-latas tupiniquim tanto bafeja ou inveja, tem 230 anos, e é respeitada.

 

Para fechar, A Tal Mineira compartilha o comentário do colega Bob Fernandes no jornal da TV Gazeta, na segunda, 22. Fala sobre o estado do desgoverno e a situação geral da Terra Brazilis:

 

 

Aqui a transcrição do texto do Bob Fernandez, capturado no youtube:

O governo Temer acabou. O que ainda se move e fala são zumbis. Os que há um ano deram vida a isso aí estão divididos.

Uns pretendem manter os zumbis; ainda querem a entrega do serviço contratado.

Outros, até pra escapar à contaminação, querem se livrar dos zumbis. Esse zumbinato nasceu de uma Farsa.

Presidente do Supremo quando das condenações no “Mensalão”, Joaquim Barbosa definiu essa Farsa como “Impeachment Tabajara”…
.
Um conjunto de gambiarras para mascarar como “legal” a junção de interesses econômico-financeiros, e ressentimentos. Ressentimentos de classes e por sucessivas derrotas eleitorais.

Políticos também corruptos, obscuros e notórios “Movimentos” -que agora se escondem- instigaram e arrastaram multidões.

Sempre com fundamental apoio midiático nessa Cruzada, parcial, contra a “corrupção”.

Enfim exposta amplamente a corrupção, não apenas porções selecionadas, pergunte-se: onde estão aquelas multidões e helicópteros?

Onde editoriais pela queda imediata dos governantes corruptos? Temer ocupou redes de rádio e Tv: onde estavam as panelas?

Por cinco anos cansamos de repetir aqui: “a corrupção político-partidária-empresarial é ‘Sistêmica’, envolve todos os grandes”.

Agora, à revelia de Curitiba, Joesley&Friboi entregou: doou R$ 600 milhões para 1.829 candidatos de 28 partidos. Contaminados Ministério Público e Tribunais.

O DNA dessa corrupção estava nos dados das empreiteiras. Escolheu-se o que investigar e o que não enxergar.

Escolhas com profundas, graves consequências econômicas, sociais, político-eleitorais.

Ainda sem provas conhecidas, Joesley&Friboi entregou megaorganização criminosa. Joesley, segundo sua própria delação, portava-se como gangster.

E, segundo Temer, Joesley acrescentou mais um aos seus muitos bilhões; ao especular na Bolsa com os efeitos da sua explosiva delação.

Perdoado pela Justiça, Joesley mudou-se com empresas e bilhões para os EUA.

Com citações, loas ao onipresente “mercado”, seguem brados, basicamente, contra… “us puliticus”. Ainda não entenderam: “us puliticus” são os serviçais, os capatazes…

Vasta porção do topo do capitalismo brasileiro, o mesmo que ora patrocina, ora caça “corruptos”, é a cabeça deste “Sistema” podre.

Expostos intestinos, brandindo legalidade que estupraram, os cabeças buscam agora pilotar o futuro pós-Zumbis.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s