O ilegítimo chama as tropas contra trabalhadores em livre manifestação

por Sulamita Esteliam

Degluto minha náusea, revolta e indignação com os acontecimentos do dia, que acompanho no Minuto a Minuto do Brasil de Fato. Enquanto isso, transcrevo  mais abaixo informação direto do palco da barbárie em que se transformou a Esplanada dos Ministérios na capital federal, na tarde desta quarta-feira.

O que era uma manifestação pacífica, que reuniu milhares de trabalhadoras e trabalhadores dos sete cantos do Brasil, por nenhum direito a menos e por diretas como caminho para restabelecer a ordem democrática, transformou-se num massacre.

Há  dezenas de feridos, trabalhadores no exercício da defesa de seus direitos. Homens, mulheres, idosos e crianças  atingidos por gás de pimenta e bombas espalhadas com ajuda de helicópteros em voo rasante sobre a multidão atônita com a truculência.

Nem parlamentares, que apoiaram a marcha, foram poupados. De volta ao Congresso, a mesa da Câmara foi tomada pela oposição e os trabalhos interrompidos aos gripos de “Fora, Temer!” e “Diretas, já!”

Não faltaram, sequer, dois incêndios – nos ministérios da Agricultura e da Fazenda -, certamente provocados não por manifestantes, mas por infiltrados a serviço da lambança.  Tática provocativa de guerra, na qual só um lado dispõe de armas.

Não contente em afundar-se na lama, e levar junto o país para o pântano, o desgoverno do mordomo usurpador agora chama as tropas, e não apenas a PM, com tropa de choque e cavalaria, que só faz o que sabe fazer, bater e barbarizar, mas o Exército, as Forças Armadas.

Todavia, o que esperar de um desgoverno que tem no Ministério da Defesa, que já foi ocupado por pessoas do calibre de um Waldir Pires, alguém como Raul Jugmann (PPS-PE)?

Se faltasse algo para desnudá-los, Temer e Jugmann, eis que eles não titubeiam e assinam embaixo do absurdo que nem a ditadura ocupada por militares teve coragem de fazê-lo.

Quem se presta a golpear a Constituição e o Estado de direito, se presta a qualquer negócio. Alguns mais do que outros.

O dia em que Temer foi cercado em Brasília e respondeu com tropas e balas.

Apenas ao nosso lado um jovem teve o olho atingido e um morador de rua teve a barriga alvejada por um tiro a queima roupa de bala de borracha. Os PMs, novamente, não seguiram os próprios manuais da corporação e atiraram.

Joelmo Jesus de Oliveira, morador de Brasília, relatou, entre tantas outras agressões, uma praticada pelo Exército. “Eles estavam dentro do prédio, que tem vidros espelhados, saíram de repente e agrediram uma jovem com chutes na cara e murros”.

Um senhor que filmava o ato teve seu celular destruído, respirou uma enxurrada de gás de pimenta e ainda apanhou. “Se isso não é estado de exceção, não sei o que é. Nunca vi tamanha violência”, disse.

O que justifica tamanha repressão?

O movimento no Palácio do Planalto foi inexistente durante todo o dia, acompanhamos por mais de uma hora a entrada principal, e o que deveria ser um “entra e sai” era, na verdade, um verdadeiro deserto. Apenas um carro no estacionamento.

Temer está absolutamente isolado e sua base no Congresso desmoralizada para levar a cabo outras reformas.

A saída por renúncia foi descartada pelo presidente, o que faz com que lhe reste apenas a força repressora.

Resta aos movimentos resistir em Brasília e em todo Brasil. Serão dias duros e decisivos para barrar o desmonte e derrotar o governo Temer.

Michel Temer assinou um decreto que foi publicado em uma edição extra do “Diário Oficial da União” e prevê o emprego das Forças Armadas entre 24 e 31 de maio. 

*******

Fotos: Isadora Freixo/Midia Ninja, Jornalistas Livres e  Ian Cheibub/Brasil de Fato


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s