Maringoni: sobre Lula, Aécio e a Justiça; ou de gigantes e de pulgas…

O neto de Tancredo com o então ministro do Trabalho, Almir Pazianoto e o deputado Dante de Oliveira (PMDB) no túmulo do avô em São João Del Rey – abril 1986 – Foto: Marcelo Prates
por Sulamita Esteliam

Sou suspeita para falar de AHÉcim, que conheci pouco mais do que um moleque carregando pasta para o avô Tancredo Neves, e não tolero. Apesar de nossa pouca diferença de idade, Euzinha já era repórter de Política e mãe de uma dupla.

Parênteses para explicar a ausência: aliás, na terça foi aniversário da minha segunda, que está recomeçando a vida em meio a fraldas e papinhas, depois de 15 anos de jejum. Disposição e saúde não lhe faltam. Fomos celebrar, minimamente. Que o Universo siga bom cúmplice.

Sempre foi um entojo, o Aécio, guindado ao estrelato pela longa agonia de seu protetor, que mesmo sendo a raposa felpuda que foi, deve revirar-se no túmulo por ter nos legados esse engodo.

E lá se vão 33 anos do desfecho, agora dia 21 de abril. Felizmente, a última vez que, profissionalmente, nossos caminhos se cruzaram foi no aniversário de um ano da morte de Tancredo, em São João Del Rey.

A mídia se encarregou de transformar o garoto mimado em herdeiro político do homem que o Brasil imaginava ser o redentor de sua carência democrática.

Na verdade, Tancredo urdiu nos bastidores para que a transição se desse via Colégio Eleitoral e não por eleições diretas.

E deu no que deu. A Emenda Dante de Oliveira, que possibilitava o retorno do voto popular para a escolha foi derrotada na Câmara, e eis que o avô do garoto-problema, e o futuro confirmaria as suspeitas, foi a solução conveniente.

Ao que parece, o “playboy das Alterosas”, não, do Leblon, depois de jogar no limbo o País, tornou-se descartável por seus pares. Despido de proteção política, cai a venda dos senhores e senhoras de toga. Como que a dizer que a lei é para todos.

Torná-lo réu por ter recebido propina da JBS é, a essa altura, inevitável. Tipo ensaio de pau que dá em Lula dá em Aécio.

Se fosse para valer, seria a primeira carta a pular do baralho múltiplo e viciado.

Mas, a verdade é que há uma distância abissal entre ser réu e ser julgado, e ir para a cadeia. Está aí o Renato Azeredo para não nos deixar ter ilusões.

Justiça célere, só quando vem ao caso.

E a lei, ora a lei…!

Gilberto Maringoni, jornalista, cartunista e professor de Relações Internacionais, tem toda razão: não há o que comparar.

 

NÃO HÁ TERMO DE COMPARAÇÃO, GENTE…

Gilberto Maringoni – no Facebook

Não existe nenhuma isonomia de tratamento entre Lula e Aécio por parte da pocilga que se denomina justiça.

Lula é líder absoluto das intenções de voto para a presidência e está em pleno vigor de sua atividade. É capaz de arrastar multidões, unificar o que existe de melhor nas forças democráticas brasileiras e de comover a opinião pública internacional.

Aécio é um político decadente, desacreditado e desmoralizado. É um soba de província em vias de desaparecimento.

A prisão do ex-presidente desestabiliza a vida institucional brasileira e representa um ato arbitrário contra a vontade de milhões de pessoas.

A abertura de processo contra o mauricinho das alterosas não faz a menor diferença nem mesmo para seus supostos amigos. É um morto-vivo.

Não há igualdade, não há nada. Há apenas carniça sendo oferecida ao distinto público para salvar as aparências do lumpesinato togado.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s