A hora e a vez de Dilma Rousseff em Minas, e o que nos resta em Pernambuco

Dilma, Pimentel e Lula, “trio indissolúvel”, no dizer da presidenta legítima, ora candidata ao Senado – Foto> Ricardo Stuckert
por Sulamita Esteliam

Confesso que Euzinha estou morrendo de inveja, boa, do povo da minha Macondo de origem. Em outubro, vai ter a oportunidade de votar em Dilma Rousseff novamente, desta vez para o Senado da República.

Aí, sei que algumas de minhas diletas amigas conterrâneas, como minha irmã jornalista Eneida Costa, devem pensar lá com seus botões: “bem feito, quem mandou na transferir o título!”

Cheguei a cogitar a possibilidade com ela. Aliás, Eneida me fez a gentileza de enviar as fotos da Convenção do PT Estadual e algumas informações ainda na noite do domingo. Só que foi batizado da minha neta caçula, e Euzinha estava em celebração familiar; só vi na segunda.

Posto agora, já que não sou mais escrava de prazo, ou gancho, ou furo qualquer, ou coisa que o valha.  Aqui vale a transparência e o menu é à moda da casa.

Liberdade, liberdade, abra as asas sobre nós…

Bem que poderia ter transferido o título, sim, pois estive por lá em fevereiro para o aniversário de meus netos gêmeos, e aproveitei para curtir o carnaval belo-horizontino; adoro escrever esta palavra!  Era só ter prorrogado um tiquinho mais a estada que teria dado certo.

Pois é. Mas não resolve chorar sobre o leite derramado. Sou eleitora em Pernambuco, minha Macondo de coração, e…

Pronto, lasquei-me todinha, pois minha candidata a governadora, Marília Arraes, agora integra o time de postulantes a uma cadeira na Câmara dos Deputados.

E como tem gente boa, e várias mulheres, candidatas nesse time pernambucano!

Em compensação, para o Senado, tudo como dantes no quartel de Abrantes: Humberto Costa é o eterno candidato petista, e na outra ponta o duplamente golpista Jarbas Vasconcelos (MDB) – golpeou Arraes, o avô do falecido Eduardo Campos, para ser governador; e golpeou Dilma.

Pois digo que, a menos que aconteça um milagre ou uma hecatombe, vai ser um parto a fórceps o PT manter sua vaga na Casa dos Estados, o que torna a representação de Pernambuco ali ainda mais conservadora.

Sempre se pode piorar.

Para ficar apenas nos mais cotados, no time de Armando Monteiro, ex-ministro de Dilma, e também traíra, estão dois golpistas empedernidos para disputar o Senado: Mendonça Filho, DEMo, (des)ministro da Educação do Temeroso; e tucano Bruno Araújo, a quem coube o voto que sacramentou a aceitação do pedido farsesco de impeachment da presidenta Dilma, a legítima.

Todo acordo tem seu preço, assim como toda tática parte do princípio de que o adversário seja imutável e falível. A conferir,

Só sei que em golpistas não voto nem que o mundo pare para Euzinha descer. Estou velha demais para esquecer ofensa dessa monta e nem meu espírito cristão é capaz de me soçobrar.

A soberania popular conta só na hora de pedir renovação de voto é…!?  Vai ver se Euzinha estou lá na esquina, devo estar… E em companhia de muita gente boa, que faz toda diferença na hora da sacrossanta militância.

Bom, de volta a Minas Gerais, a conformação da chapa majoritária do PT teve a mão de Dilma no breque, e Pimentel teve que enfiar a viola no saco e dizer tchau ao MDB.

Só faltava a presidenta ter que engolir golpista, mesmo sem p, que foi a locomotiva do golpe que a derrubou, quando ela pode ser a salvadora da pátria nas eleições mineiras. Ora mais…!

O discurso de Dilma a convenção deixou bem claro o sentido da sua candidatura ao Senado Federal:

“Nós vamos, aqui em Minas, combater o golpe, que tem dois dos principais protagonistas aqui no Estado. Um que perdeu eleição, outro que destruiu o orçamento de Minas e entregou a [Fernando] Pimentel um governo falido. Vamos lutar contra eles.”

“Aqui em Minas Gerais é que vai se travar a luta decisiva. Se não ganharmos aqui, perderemos o Brasil. Somos desde aqueles que vão lutar dia a dia para eleger Lula presidente, Pimentel governador e, é claro, Dilma senadora. Esse trio é indissolúvel. Estamos nessa eleição pelo resgate da democracia. E a liberdade de Lula é a síntese da democracia no Brasil.”

Esta é a Dilma Vana Rousseff, como só uma mulher de princípios sabe ser. Correta. Honesta. Firme. Solidária. Leal.

A propósito, assista ao vídeo da campanha para financiamento coletivo da candidatura Dilma ao Senado por Minas Gerais. Em nome de novos tempos,do resgate da democracia com participação popular e menos desigualdade:

A segunda vaga, na chapa majoritária em Minas, estaria reservada a alguém do PSB. E tomara que seja fruto da banda socialista que não se deu ao desfrute de violar a Constituição.

Isso, caso a direção nacional do partido recoloque o ex-candidato ao governo, Márcio Lacerda, no lugar que lhe é devido. Até onde se sabe, a candidatura, cumprida a etapa das convenções partidárias, pertence à legenda, não ao postulantes.

Daí que é no mínimo esquisito que o ex-prefeito de Belo Horizonte tenha obtido guarida na Justiça, que deve conhecer de sobra o princípio legal.

Mas, é como se diz, de cabeça de juiz e bumbum de neném ninguém sabe ao certo o que vem.

Além do que, quem se filia a um partido, está disposto a seguir as regras internas. Legítimo brigar por posições enquanto há instâncias a apelar, como fez Marília Arraes e seu grupo político em Pernambuco.

Recorreram ao Diretório Nacional da decisão da Executiva em defesa da candidatura própria, confirmada no encontro estadual. Esgotada essa etapa, ouviram os argumentos e as razões, e acataram a decisão sem correr o desgaste de levá-la à Convenção Nacional. Por mais injusto que soe e troe.

Agora, perguntar não ofende: quem vai votar num sujeito que tem que brigar na Justiça com o próprio partido que não o quer como candidato?

Nesse aspecto, é bem compreensível que o AhÉCim!, de mau perdedor tenha se transformado em personagem de filme infantil. Só em ao invés de “esqueceram de mim”, o título deveria ser “escondidinho de tucano”, como aliás sugere o ex-presidente Lula, pernambucano de origem, em carta enviada à convenção de seu partido em Minas.

A ironia explícita de Lula se dirige ao medo do neto de Tancredo em enfrentar Dilma nas urnas. Ele sabe não pode com ela. A tucanada também.

“Não é por outra razão que o candidato deles, aquele que não aceitou a derrota em 2014 e acendeu o pavio desse golpe que trouxe de volta a miséria, a fome e a mortalidade infantil, achou mais prudente tirar o time de campo para não enfrentar nossa presidenta outra vez nas urnas. Aécio Neves, que chegou a pedir recontagem de votos após perder em 2014, está lançando um prato novo, meio diferente, que não tem muito a ver com a cozinha mineira nem é muito ecológico: o escondidinho de tucano. O povo mineiro não vai engolir essa receita indigesta nem para presidente, nem para governador, nem para o senado, nem para deputado federal.”

Clique para ler a íntegra da Carta de Lula ao Povo de Minas Gerais

O ex-presidente se refere à ausência do ex-governador e atual senador mineiro na convenção de seu partido que confirmou Antônio Anastasia candidato ao retorno – como o fantasma das sete pragas do Apocalipse.

Foram buscar reforços no DEMo. O próprio Geraldo Alckmin e mais o presidente da Câmara Demo-crata, Rodrigo Maia se arremeteram a Minas para convencer o já candidato oficial ao governo, um certo Rodrigo Pacheco, a retirar sua candidatura para somar como candidato ao Senado na chapa anastásica.

Talvez vislumbre a chance de passar o rodo, como é o estilo deles. Todavia, mesmo à distância, é possível captar um certo tremor no ninho, na contramão das pesquisas que colocam os bicudos na dianteira.

Credo em cruz, mangalô três vezes!

E por falar em golpe, a presidenta Dilma, candidata ao Senado por Minas, fez a aula inaugural do curso sobre golpe na UFMG, na Faculdade de Educação, em Beagá, noite da desta terça, 7. Foi ovacionada.

O curso “O Impeachment de Dilma Rousseff como Golpe de Estado: Perspectivas jurídicas, filosóficas, políticas e históricas” conta com 32 docentes da Universidade, doutores atuantes em áreas como Direito, Ciência Política, Educação, História, Psicologia, Arquitetura e Economia.

Dilma aborda os efeitos amargos do golpe de 2016. Deixo o linque ao vivo para você aproveitar:

*******

Postagem revista e atualizada dia 08.08.2018, às 22:18hs: correção de erros de digitação e repetição de frases, pelo que peço desculpas; também pelo vídeo sem eira nem beira que apareceu em lugar do que havia postado sobre a recepção da presidenta Dilma na UFMG; não sei o que aconteceu, mas Ana Amélia como substituta é, no mínimo, piada de mau gosto. por isso exclui.

 


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s