De coincidências, indícios e conexões: quem mandou matar Marielle?

por Sulamita Esteliam

Não há outro assunto possível no dia que já passou: estão presos os operadores da execução da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes. Mas várias perguntas não querem calar. A principal delas continua sem resposta a dois dias de se completar um ano do crime: quem mandou matar?

O furo da prisão foi dado por reportagem exclusiva de O Globo, assinada por Chico Otávio, que vem a ser o pai da jornalista do Estadão, Constanza Rezende, atacada com notícias falsas pelo ora presidente delirante, dois dias antes da operação.

Ultimamente, o acaso anda desse jeito, em plantão permanente. A ponto de o presidente autoproclamado, Zé de Abreu, o ator, decretar “O Dia Nacional da Coincidência”.

O sargento reformado, Ronnie Lessa, preso na madrugada desta terça como suspeito de ser o atirador na execução é réu confesso. Palavra das promotoras que explicaram a denúncia à imprensa, a quem o acusado admitiu, também, que foi avisado que a prisão ocorreria a qualquer momento.

O executor é o da direita

E diz que matou por que a postura e as causas defendidas pela vereadora do PSol lhe causavam ojeriza. Pode ler como antipatia, ódio, conveniência, arrumadinho, acordo que dá no mesmo.

O homem tem horror à militância de esquerda. Seria coincidência!?

Claro que o fato de morar a três casas do ora presidente da República é mera coincidência. E a segurança presidencial sequer pisca, ou cochila geral!

Por que só agora, um ano passado, a prisão? E os caras logo ali, ao alcance de um mandado?

A resposta das autoridades:

– Por que só agora a denúncia ficou madura.

Ah, tá. E aí vem aquela marchinha do passado, martelar em suas teclinhas:

Laranja madura, na beira da estrada, tá bichada, Zé, ou tem maribondo no pé…

Sim, consta também que o filho do “mercenário”, definição da viúva de Marielle, namorou a filha do outro delirante. Coisa de vizinhos.

Assim como não é de se estranhar que um PM reformado como sargento possa resistir num condomínio luxuoso da Barra da Tijuca. 

Ora, se o motorista da família presidencial deposita cheque na conta da distinta que viria a ser primeira dama e empresta dinheiro do patrão! 

Ora se o Queiroz-I movimenta milhões com o negócio de compra e venda de carros usados, nomeia funcionários e a família toda no gabinete do filhote número 1 e do pai deputado, como estranhar que ele se trate no Hospital Einstein da elite tupiniquim!?

O ex-PM Élcio Queiroz e o hoje presidente Bolsonaro – Foto: Reprodução FB via Jornal GGN

O outro acusado de participar no assassinato da vereadora do Rio pelo PSol é um ex-PM expulso da corporação por envolvimento em malfeitos graves. Élcio Vieira de Queiroz-II acaba de ser expulso do DEMo por ferir de morte a ética do partido.

Todos milicianos com amplos serviços prestados à primeira família, namoricos e corações, e cheques, e depósitos trocados. Fotos conjuntas nas redes sociais, festas, homenagens e favores compartilhados.

Indícios e conexões. Ora essa…!

Está aberta a temporada de coincidências. Ou estaria mais para “metástase”, como sugere o título da reportagem de capa da revista Piauí.

Na dúvida, o princípio é bom conselheiro. Lembra o governador Flávio Dino, desde o Maranhão:

Siga o dinheiro das milícias que se chega ao mandante. O tesoureiro deles está solto, basta achá-lo.

Agora, cá pra nós, imagina se fosse Lula, os filhos dele ou qualquer um do PT!?

 

Um comentário

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s