‘Facada ou fakeada?’ Joaquim de Carvalho e os intestinos que levaram o capiroto ao poder

por Sulamita Esteliam

Um governo eleito por mentiras, com farsas sobrepostas só pode desgovernar com mentiras e farsas acumuladas. O A Tal Mineira insiste nesse tema porque nele está a raiz da nossa debacle, do nosso tormento.

O colega Joaquim de Carvalho, experiente jornalista hoje colunista do Brasil 247, percorreu os caminhos que levaram à armação que decidiu as eleições presidenciais de 2018: a facada que, Euzinha desde o episódio estou convencida, não houve no candidato que hoje desmantela o Brasil.

O candidato, ora presidente, estaria com cirurgia intestinal marcada em hospital da elite paulista. E de fato perdeu 10 cm do intestino grosso, possivelmente por causa de um câncer. Fez um colonoscopia e durante muito tempo, enquanto passou a carregar uma bolsa para reter as fezes.

A versão oficial conta que o então candidato à presidência foi esfaqueado quando cumpria agenda eleitoral em Juiz de Fora (MG), em 6 de setembro de 2018.

Não há uma gota sequer de sangue em qualquer uma das fotos do “atentado” – nem no corpo nem na roupa nem no chão da pastelaria onde ele foi deitado no chão antes de ser resgatado com rapidez, para a Santa Casa.

Por outro lado, sobram informações contraditórias e coincidências inacreditáveis no enredo.

O autor do golpe, Adélio Bispo de Oliveira, um homem tosco, pobre e simples e de ideias toscas, tanto quanto o candidato e a turba que o segue.

Ao que tudo indica foi usado como boi de piranha. Um dos inquéritos abertos pelo STF, já se noticiou, chegou ao filho 02 do capiroto, como envolvido na armação.

O “agressor” foi preso em flagrante e depois declarado inimputável por problemas mentais. O inquérito foi encerrado pela Polícia Federal.

A hipótese que não foi investigada, lembra Joaquim de Carvalho, “é de que a própria equipe da campanha tenha planejado o atentado para gerar fato político”.

Há quem questione a versão de que tudo foi armado, é preciso dizer. Não é a primeira vez que coleguinhas tentam desacreditar a hipótese da armação, que já circulou por outras vias. Briga de egos. Carvalho ao menos investigou e mostra a cara.

Ademais, o fato é que o candidato que acabou vencendo o processo eleitoral – com disparos de mentiras pela zap-zap, sem ter comparecido a nenhum debate – “tinha 8 segundos na TV e passou a ter 24 horas”.

É essa questão, lógica, que leva o deputado Alexandre Frota, ex-apoiador do capiroto-presidente, hoje no PSDB, a pedir a abertura de CPI para investigar o providencial ataque.

O documentário que resgata a memória e atiça a inteligência nacional aviltada por mentiras a granel: “Facada ou fakeada?”

 

*******

Fontes requisitadas:

Brasil 247

Bolsonaro e Adélio: Uma fakeada no coração do Brasil

Frota: Facada foi armada e tem Carlos Bolsonaro por trás de tudo

Um desafio aos jornalistas preguiçosos que atacam documentário sobre fakeada: debatam comigo

Alexandre Frota protocola pedido para CPI da Fakeada

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s