Ômicron em família: efeito dominó…

por Sulamita Esteliam

Já contei lá no Twitter, mas vou contar de novo aqui no blogue: a Covid me pegou na contramão. O teste da última sexta, o segundo em cinco dias, deu positivo. Estamos Euzinha, sintoma nenhum, e o maridão, já recuperado de sintomas leves, de quarentena até a próxima quinta.

Somos a prova viva de que a vacina funciona: um casal de idosos, cronologicamente, mas que exerceu o direito e – ao nosso modo de ver as coisas – o dever de buscar a imunização com as duas doses, mais o reforço, no devido tempo.

Isso nos salvou dos sete palmos, ao eliminar o risco de agravamento e, portanto, menos dois nas unidades de saúde e, Deus nos livre, das UTIs transbordantes. Meu companheiro é imunossuprimido, o que o torna alvo preferenicial dessas infecções.

É preciso dizer que em São Paulo, no Rio de Janeiro, em Belo Horizonte, no Recife, e certamente nos sete cantos do Brasil, 90% dos casos graves são de pessoas não vacinadas, ou que não tomaram a segunda dose.

Aqui em casa, apesar de todos os devidos cuidados, deu-se o efeito dominó invertido: começou com nossa caçula, que trabalha exposta e se infectou, apesar de vacinada até o reforço. Em seguida veio o pai, e Euzinha na sequência.

Ela teve o que se convenciona chamar de sintomas medianos: febre dois dias, dor de cabeça e de garganta, tosse, espirro e coriza, encurtamento de fôlego, calafrios, fadiga.

O fundamental é que não precisou recorrer a uma unidade de saúde. Fez a teleconsulta, tomou a medicação indicada para aplacar os efeitos, mais repouso, boa alimentação e isolamento. Pronto: dez dias de retiro encerrados no sábado, quando testou negativo; voltou ao trabalho nesta segunda.

Também o neto mais velho covidou, teve sintomas leves, porque está vacinado, manteve o isolamento e já está bom.

Cuidados e sorte evitaram que contaminasse a mãe, que está no final de tratamento quimioterápico – bem-sucedido, graças – e a irmãzinha de 4 anos, que ainda não pode se vacinar. O irmão mais novo, devidamente vacinado, também não se infectou. Todos testados.

É bom que se diga, e repito aqui frase da médica oncologista da minha filha mais velha:

“Não existe remédio para Covid. O que se faz é combater os sintomas. Vacina é a única solução, naturalmente que escudada pelo uso de máscara, distanciamento social e higiene.”

Li reportagem em que um médico infectologista lá do Rio de Janeiro diz com todas as letras:

“Essa história de que a Ômicron pega mais leve é porque temos mais da metade da população imunizada com as duas doses, ao menos. Os casos graves, de UTI e intubação, e também os quase lá, são de quem não se vacinou, ou não completou a imunização.”

Portanto, não vacinou, vacine-se, já, e vacine suas crianças! É sua obrigação cuidar de suas crias. Não dê ouvidos ao desgoverno genocida. Já passam de mil as vidas tenras abreviadas. Isso é triste e criminoso.

Use máscara, capriche na higiene das mãos, sobretudo, abuse do álcool 70 (se beber morre…), beba muita água. E nadica de kit Covid propalado pelo Coisa Ruim e os negacionistas de plantão, nunca é demais repetir.

Outra coisa que está nas informações do dia: estudo indica que os transportes urbanos são a principal fonte de contaminação pela Ômicron, que é peçonha no contágio.

Veículos lotados, ônibus e metrô, janelas lacradas, ventilação praticamente nenhuma, e muita gente sem máscara. É tudo que o vírus quer.

O problema é que a maioria do povo não tem como evitar andar de transporte coletivo,bem sei. Então, cabe ao poder público exigir que as empresas aumentem a frota em circulação, no mínimo. E aos usuários cobrar melhores condições.

Tem mais: sobretudo nos veículos condicionados, que aumentem a renovação de ar em pelo menos seis vezes, de acordo com quem entende do riscado.

Bom, janeiro já foi… E, se nosso ano começou como o outro terminou: nos fazendo provar o sal da terra, amores, fevereiro há de nos trazer aragem e bons frutos.

E que assim seja!

*******

Postagem revista e atualizada: correção de erro de concordância verbal e de digitação.

2 comentários

  1. Essa tal mineira nos orgulha pela firmeza com que combate o obscurantismo. Qual é o adjetivo que se pode atribuir a um presidente que discorda do espirito missionário e da inteligência coletiva da comunidade científica internacional? No mínimo charlatão, no médio sociopata, no máximo exterminador de seu povo.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s