Todo apoio a Apolo Heringer e à causa em defesa das águas em Minas e no Brasil

por Sulamita Esteliam

Coisa mais triste e indigna o processo criminal aberto pela Fiemg, a federação que reúne as indústrias em Minas, contra o ambientalista Apolo Heringer Lisboa, médico e professor da UFMG.

Seu “crime” é defender os mananciais de águas no território mineiro, alvo da ação predadora, sobretudo, das mineradoras que exploram as risquezas do Estado e deixam de herança as crateras, a lama e, em muitas vezes, o luto, como ocorreu e Bento Gonçalves/Mariana e no Córrego do Feijão/Brumadinho.

Por sua atuação em defesa dos recursos naturais de Minas e do Brasil, Apolo Heringer é nome respeito mundialmente entre ambientalistas. Idealizador e fundador do projeto Manuelzão, dedica sua vida à defesa das águas, dos animais e das plantas de todas as espécies apontando de forma corajosa e lógica que “o espelho d’água mostra a nossa cara”.

Circula pelas redes sociais um abaixo-assinado denunciando a perseguição juidicial ao ambientalisas. Euzinha já assinei. Clique aqui para assinar também.

Os Jornalistas de Minas, através de seu Sindicato, divulgou carta aperta em defesa da liberdade de expressão que a entidade empresarial mineira quer suprimir a Apolo Heringer.

Mordaça, censura judicial não vai calar a voz da razão.

Transcrevo

Apolo Heringuer - JM
Foto: captura de tela/JM

:

Carta aberta em defesa da liberdade de expressão

Fomos surpreendidos, no final de semana, pela informação de que a Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg) abriu um processo criminal contra o ambientalista Apolo Heringer Lisboa, fundador do projeto Manuelzão e figura que goza de amplo respeito na sociedade e entre os ambientalistas. A Fiemg decidiu partir para a ação criminal por não concordar com a afirmação de Apolo de que a entidade representativa da indústria no Estado controla os comitês de bacia mineiros e, com isso, impede que a cobrança pelo uso da água seja feita com base em valores de mercado.

Trata-se de um tema oportuno e que merece uma ampla discussão por parte de todos os atores envolvidos com a gestão ambiental e, particularmente, a gestão dos recursos hídricos no Estado. Porém, infelizmente, a Fiemg optou por recorrer à Justiça para calar o ambientalista que vem a público defender, democraticamente, uma ampla discussão acerca de um assunto tão importante.

A ação criminal contra o conhecido ambientalista foi protocolada no dia 15 de dezembro do ano passado e não é uma tentativa isolada da Fiemg de calar o movimento ambientalista. Mais recentemente, a mesma entidade entrou com ação civil pública contra os fiscais do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) que barraram a instalação da fábrica de cerveja da Heineken no município de Pedro Leopoldo devido a possíveis danos ao patrimônio espeleológico da região.

Ao entrar com duas ações contra ambientalista no curto período de dois meses, a Fiemg coloca, de forma clara, qual é o caminho pelo qual optou: o de criminalizar o movimento ambientalista e buscar, pela via judicial, o cerceamento da liberdade de expressão, atitude que repudiamos e esperamos seja barrada pela própria Justiça.

Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de Minas Gerais (SJPMG)

4 comentários

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s