Na rua, olho no olho, o teste que vale antes das urnas

Em Fortaleza, Dilma é recebida com uma rosa no canteiro de obras do Minha Casa Minha Vida - Foto:  Ichiro Guerra/Fotos Públcas
Em Fortaleza, Dilma é recebida com rosas no canteiro de obras do Minha Casa Minha Vida – Foto: Ichiro Guerra/Fotos Públicas
 
por Sulamita Esteliam

A política, convenhamos, é um bichinho que corrói os calcanhares da gente. Não raro, revira o estômago, sem contudo nos tirar o apetite. É como a vida, a gente reclama, mas faz tudo para não passar desta para a dita melhor. Coisa da fome com a vontade de comer, se você me entende…

Recuso-me a comentar pesquisas aqui no blogue, que de noticioso pouco ou nada tem. Além do mais, pesquisa à essa altura do jogo, é feito nuvem. Não há, me desculpem quem pensa o contrário, cenário definido.

Os de sempre querem provar que Marina já ganhou. Outros, com acesso a trackings diários que não costumam vir a público, mostram que Dilma está em franca recuperação.

Já vi muita gente quebrar a cara na boca da urna.

Ocorre-me a eleição de Luíza Erundina, à época no PT e hoje no PSB, para a prefeitura de São Paulo, em 1988. E também a de João Paulo Lima e Silva (PT) para o governo do Recife, em 2000. Ambas contrariaram todos os prognósticos.

Jamais esquecerei a cara do editor-geral do diário mineiro onde esta escriba exercia a pauta de política, e coordenava a cobertura eleitoral naqueles idos dos 80 do século passado. Estávamos todos no meio da redação, em frente à TV, à espera da pesquisa de boca-de-urna.

Quando saiu o resultado, nossos olhares se encontraram. Eu segurei o riso no canto da boca. Ele ficou vermelho feito pimentão, girou nos calcanhares e bateu em retirada para o seu aquário, como se um escorpião o tivesse picado. A gargalhada foi geral.

É que, dias antes, num dos habituais embates com o chefe, na reunião matinal, Euzinha havia ousado sugerir, em defesa de determinada pauta, que poderíamos estar próximos a testemunhar um duplo feito: uma mulher e um partido de esquerda chegarem ao governo da maior cidade do país.

O homem – que entre os vivos  já não mais está – virou bicho. Os colegas que participavam da reunião, editor e adjuntas, temeram pela minha saúde física, tal o destempero – para dizer o mínimo.

Sobrevivi – a ele e a outros do mesmo naipe que atravessaram o meu caminho nessa longa jornada de trabalhadora da informação.

Na campanha para a Prefeitura do Recife, João Paulo, que já havia sido presidente da CUT estadual, vereador e deputado estadual, enfrentou o ex-governador Roberto Magalhães (PFL depois DEM), que tentava a reeleição municipal.

O outro concorrente forte era Carlos Wilson, ex-vice-governador de Arraes, ex-deputado, depois senador. Seu partido de então era o PPS – o homem, que é estrela desde 2009, foi da Arena ao PT, passando pelo PMDB, PSDB, PTB e sei lá mais que siglas…

Todas as pesquisas de intenção de votos davam léguas de distância para o candidato no poder. João Paulo vinha na terceira posição, depois de Carlos Wilson. Esse não era o sentimento que se apercebia nas ruas, nas conversas com o povo, contudo.

Terminada a votação, a militância se reuniu no Marco Zero, no Antigo, para acompanhar a contagem. A princípio, os números corroboravam o que apontavam as pesquisas. Mas a boca de urna já registrara a ultrapassagem do segundo colocado.

A virada veio com a abertura das urnas das zonas eleitorais dos morros do Recife. A eleição foi para o segundo turno, e um operário chegou pela primeira vez à prefeitura da capital de Pernambuco.

Entonces, muita calma nessa hora. Só peru morre de véspera.

Agora é transição – do efeito luto à imagem da pureza de fachada, incorporada pela “salvadora da pátria” da segunda via tucana. Corrijo citação anterior, definição do ex-ministro Ciro Gomes sobre Marina Silva, muito bem usada pela candidata do Psol, Luciana Genro, em debate televisivo.

A burca já foi chamuscada, e vai acabar esgarçada como teia, ou franja de rede – tal e qual o propósito de fundar a sua, que é miragem antes de tornar-se partido. O mosaico de contradições de Marina Silva é tal, que pode sufocá-la em sua própria indumentária. É só questão de tempo, e algum trabalho. Porque oportunidades a própria mídia, cada vez mais venal, se encarrega de fornecer. Ainda falta um mês para as eleições.

Dilma e Pimentel, candidato ao governo de Minas, em Venda Nova - Ichiro Guerra/Fotos Públicas
Dilma e Pimentel, candidato ao governo de Minas, em Venda Nova – Ichiro Guerra/Fotos Públicas

No horário político eleitoral, é bom mostrar as correções de rumo para o segundo mandato: nas políticas de combate à homofobia, de direitos das mulheres, dos indígenas, do Povo Cigano, no direito à comunicação, à terra, na política de juros, no combate à sonegação, na justiça tributária, na relação com os movimentos sociais, por exemplo.

É hora de reforçar o caminho que a trouxe até aqui, dona Dilma. Os fundamentalistas, os banqueiros e o agronegócio, o “deus” mercado, os alpinistas sociais e a turma do “deixar estar pra ver como é que fica” já têm representantes da disputa. Provado está, e no plural.

Você tem a força daqueles que, como eu, acreditam que governar é buscar a justiça, a equidade social. Percorremos bom pedaço, mas a jornada é longa, e requer coragem, até para dizer por que não é possível fazer tudo de uma vez. Isso é política. Sabemos que não lhe falta aptidão.

Sim, esta noite, Lula e Dilma fazem comício na orla de Brasília Teimosa, aqui no Recife. Ele vem de Petrolina, no Sertão do estado, onde fez comício com os candidatos à majoritária. Ela vem de Fortaleza, onde fez campanha e colheu carinho da gente alegre cearense.

Ontem, Dilma esteve em Venda Nova, em Beagá, sua terra natal (e desta blogueira). Antes foram a São Bernardo, onde tudo começou – para Lula e para o PT.

A campanha de rua é olho no olho. É o teste que vale.

Lula faz o que prometeu: percorrer o Brasil em campanha para reeleger Dilma. Na foto, ao lado de João Paulo, candidato ao Senado por Pernambuco,  em Petrolina  - Foto: Ricardo Stuckert/Instituto Lula/Fotos Públicas
Lula faz o que prometeu: percorrer o Brasil em campanha para reeleger Dilma. Na foto, ao lado de João Paulo, candidato ao Senado por Pernambuco, em Petrolina – Foto: Ricardo Stuckert/Instituto Lula/Fotos Públicas

 

****************

Postagem revista e atualizada às 21:49 e no dia 05.09.14, às 8:39: correção de erros pontuais de digitação; inclusão da frase ” ou franjas (…)” até “(…) partido”, nas primeira e segundas linhas; inclusão do “n” em “Maria” = Marina, na primeira linha do terceiro parágrafo.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s