Tristeza não paga dívida. A hora é de luta, trabalhadores do Brasil!

por Sulamita Esteliam

Ainda sob o impacto da leitura do livro A Verdade Vencerá – o povo sabe por que me condenam, Boitempo, 2018. Mesmo com o coração apertado, sobretudo com o texto do Eric Nepomuceno, escolho seguir o mote do autor-personagem, Luiz Inácio Lula da Silva.

Indignar-se, sempre que necessário, desesperar jamais.

“Tristeza não adianta, é preciso lutar.”

Os trabalhadores do Brasil sabem disso melhor do que ninguém, Tanto quanto Lula. E aqueles acampados em Curitiba, desde a noite do 07 de abril, sabem por que e por quem lutam.

A exemplo de Zenilda Lisboa Pereira, responsável pela barraca de suprimentos-doações do Acampamento Lula Livre.  Ouvida pela reportagem do Sul21, ela não titubeia e sua fala dá o tom de como a banda toca:

“Não temos que entrar na provocação de nossos adversários. Tudo o que estamos fazendo aqui é com a consciência e o pé no chão da nossa militância. Estamos cumprindo aquilo que o Lula falou e continua falando. Enquanto ele for calado e não puder falar, ele falará por nós. Enquanto ele não conseguir caminhar, ele vai caminhar com as nossas pernas. A nossa tarefa aqui é garantir a resistência e passar toda a tranquilidade para o nosso presidente.”

Portanto, não nos afastemos. Sigamos juntos, de mãos dadas, espinha ereta e coração trepidante. Sem medo de ser feliz, lutemos por justiça e cidadania.

Compartilho um vídeo sensível, que recebi de um amigo em grupo de jornalistas de Minas. Homenagem a todos os trabalhadores e trabalhadoras, na figura do “homem de mil carismas”, definição perfeita de jornalista espanhola,  revelada por Nepomuceno, no texto referido na abertura desta postagem.

O 1º de Maio promete ser inesquecível, na capital do Paraná e País afora. Espera-se manifestações massivas em defesa dos direitos degolados com o desmonte da CLT e por Lula Livre.

É apenas aparente a letargia da massa. Se parece narcotizada, a dormir em cama de varas como se fosse berço esplêndido, enquanto lhe sugam a medula, não se pode crer que não perceba o que acontece. O que é dos golpistas e seus capatazes está guardado.

Dá-se que, para além da injustiça com Lula, e da perseguição inclemente ao PT e suas lideranças, o açoite é no lombo da classe trabalhadora, do Zé e da Maria Povinho, como costumo chamar por aqui.

A pretexto de “modernizar” a legislação trabalhista e “gerar mais empregos”, o que se verifica é o aumento da insegurança jurídica sobre direitos e deveres de patrões e empregados, e o crescimento vertiginoso do desemprego.

O Brasil atingiu o menor número de trabalhadores com carteira assinada dos últimos seis anos,  segundo a pesquisa trimestral por amostral domiciliar do IBGE. São 13,7 milhões de desocupados, sem emprego ou bico, 1,5 milhão a mais que no trimestre anterior.

Só não é maior que o pico  da série histórica do Pnad, inaugurada em 2012 – 14,2 milhões de desempregados, em abril de 2017 –  porque os bicos são crescentes.

Ah, sim, também aumentaram os empregos formais até a faixa de 1,5 salário mínimo. É o tal efeito manobra, bem a cara do empresariado nativo: o patrão demite o trabalhador de maior salário e contrata dois pelo preço de um.

Todavia, em meio ao caos, há pelos menos uma notícia boa às vésperas deste 1º de Maio: Jefferson Lima de Menezes, presidente do Sindicatos dos Motoboys de São Paulo, atingindo por um tiro no pescoço no atentado ao Acampamento Marisa Letícia na madrugada de sábado, está fora da UTI.

Presente de aniversário e do Dia do Trabalhador. Jefferson fez 39 anos neste 30 de abril, e a previsão do Hospital do Trabalhador onde está internado é de que nesta terça poderá ir para casa.

Reproduzo as imagens do atirador, identificado pela Polícia Civil do Paraná, como Fábio Amaro, conforme publicado pelo coletivo Jornalistas Livres. O suspeito está foragido e qualquer informação a respeito pode ser passada pelo telefone 0800-643-1121. A ligação é gratuita e anônima:

Outra boa notícia é de que estreia neste 1º de Maio, exatamente na transmissão do grande ato do Dia do Trabalhador, a Rede Lula Livre, iniciativa de rádio alternativa que reúne emissoras e entidades dos movimentos sociais.

O objetivo é transmitir seis horas por dia, diretamente do Acampamento e da Vigília Lula Livre em Curitiba. A transmissão será feita também em espanhol, programas a serem distribuídos a emissoras parceiras da América Latina. Clique para saber como transmitir para sua cidade.

O projeto reúne as Rádio Brasil de Fato e a Rádio Brasil Atual (98,9 FM de São Paulo); o Partido dos Trabalhadores (PT), o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), a Central Única dos Trabalhadores (CUT), a Rede da Legalidade, o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) e a Associação Mundial de Rádios Comunitárias (Amarc).

Viva!

 

Crédito e legenda fotos: passe o mouse na imagem para visualizar.

 


Um comentário sobre “Tristeza não paga dívida. A hora é de luta, trabalhadores do Brasil!

  1. Republicou isso em Gustavo Hortae comentado:
    ELEGIA NO PUTEIRO, ODE NO PROSTÍBULO DAS ELITES PAULISTANAS. ÓDIO, HÁ PENAS, PATÍBULO.
    > https://gustavohorta.wordpress.com/2018/04/17/elegia-no-puteiro-ode-no-prostibulo-das-elites-paulistanas-odio-ha-penas-patibulo/

    …Ao regozijo da platéia
    Apreciando a nudez cruel
    Da prostituta esganada
    com suas partes expostas
    E o cafetão a enforcá-la
    E uma plateia aplaudindo, em frenético regozijo e orgasmos de tantos. O mesmo que é indo ao cinema
    O mesmo que de frente à novela da noite
    O mesmo que de frente ao telejornal sacana
    O mesmo que de frente à criança que chora, mas desde que pobre seja, ou preta …

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s