De tiro, pânico ou fome, no Brasil vigora a licença para matar!

Familiares das vítimas da chacina protestam em Paraisópolis – Foto9: Daniel Arroyo/Ponte, via Vi O Mundo
por Sulamita Esteliam

Não são boas as notícias que nos chegam dos sete cantos do  Brasil. Na toada macabra, a chacina de nove jovens em Paraisópolis, no fim de semana passado, explode em dor a barbárie oficial.

Uma dor que desnuda a esperança de civilidade nesta terra que já se cantou como das oportunidades, compatriotas que somos de Deus. Abriram a Caixa de Pandora, urge fechá-la, mas a dobradiça emperrou.

A trôpega democracia que alcançamos já é lenda distante, como o mito que corporifica a desgraceira ampla.

Foi um cerco em busca de suspeito de crime, alega a PM de Dória Júnior, que só fica atrás da PM carioca-fluminense em número de execuções. E todos os testemunhos, exceto dos policiais, falam em execução.

Entraram jogando gás e atirando. Pânico, gente tropeçando em gente. Pisoteamento sem rota de fuga. Um cerco a um baile funk, na periferia paulista, com 5 mil pessoas, a maioria absoluta jovens, negros.

E ainda querem excludentes de ilicitude. Licença para matar já têm faz tempo.

Quatro dos nove mortos, dentre eles uma menina, são menores. Há 12 feridos.

Nenhum pedido de desculpas. E se houvesse, seria cretinice, porque a política de segurança pública é caça aos pobres. A ordem é genocídio.

Alguém num dos grupos de que participo, observa que o problema não é o funk, é a localização geográfica. Tem razão.

Na área centro-sul paulistana – e não apenas, vamos combinar -, os finais de semanas espalham festas, barulho, música a todo som, sexo, drogas e que tais. Gente branca, ou com pele clara, em sua maioria. A polícia está sempre presente, no mais das vezes para proteger.

Nada a se estranhar, num governo que manda jogar água gelada em moradores de rua em pleno inverno, como faz o Dória almofadinha.

Do mesmo modo que o governador, juiz aposentado Wilson Witzel, manda metralhar comunidades, mata crianças, estudantes, mesmo em locais onde há alerta no teto sobre a posição de escolas.

O Atlas da Violência não deixa a mentira de pé: o número de gente morta, de morte matada, cresce. Só em 2017 foram 65.602 mil pessoas. Jovens e negrxs são as principais vítimas, 59,1% e 75,5% dos homicídios, respectivamente.

A proporção racista é inegável: mata-se 2,7 negrxs para cada não-negrx assassinado. Cresce a desproporção entre pessoas assassinadas pela polícia e policiais mortos em serviço, digamos assim: em 2017, para 28 civis abatidos por policiais, dois soldados tombaram em combate; quando antes a relação era de 11/2. 

Continha rápida feita pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública:  235% a mais de letalidade da gente comum no período de 2013 a 2017. 

Os estados federativos em sintonia com a máxima federal: morte aos pobres, e pretos, e indígenas, aos povos tradicionais, às mulheres, aos gays, trans, às lésbicas e a toda miríade de “diferentes” do que possa cheirar a “gente de bem”.

A diversidade agride. O  bom mesmo é ser pato, ganso, boi ou vaca de presépio. Mas nem o gado está a salvo.

O que se faz com os direitos dos trabalhadores, homens e mulheres, com a economia e com as riquezas do país é criminoso. Retrocesso em cima de retrocesso. 

E ninguém na rua. A apatia é corrosiva.

Paro por aqui. Tive um dia complicado, cabeça e corpo pedem repouso.

Bem sei que estou devendo postagens. Mas o portátil andou cheio de vontades na semana última, que passei em Brasília. Desconfio que vai ter que voltar ao técnico para revisão. Torço para que o chilique tecnológico seja apenas efeito de Mercúrio retrógrado, passageiro já realinhado.

Para ampliar o mote da abertura, deixo você com Bob Fernandes, que faz um passeio sobre este #TristeBrasil, sem deixar pedra sobre pedra:

 

 


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s