A solidariedade dos excluídos

O texto que transcrevo abaixo é forte. Topei com ele no Facebook, e achei bastante apropriado ao contexto da campanha #16 Dias de Ativismo pela Eliminação da Violência contra as Mulheres, iniciados no 25 de novembro e que segue até o 10 de dezembro.

Era para tê-lo publicado no mês da Consciência Negra – que aqui no Brasil deve se estender a outras minorias oprimidas, como indígenas e ciganos. Em quaisquer dos casos são as mulheres e meninas as mais expostas à discriminação.

O relato é da lavra da amiga mineira Bernadete Lage, professora e ativista incansável da causa cigana.

A ele, pois:

Bandeira cigana
Bandeira cigana

“Pas de Cinq” com o Ministério Público do Vale do Aço.

por Bernadete Lage*

A doce senhorinha dona Otília, de um bairro humilde do Vale do Aço é definitivamente subversiva. Vale escutar.

Há duas semanas, recebemos uma ligação de um jovem cigano pedindo ajuda para a tia, senhora M., cigana legítima, 45 anos, mãe e avó, analfabeta, em situação dramática. Daqui de BH, marcamos audiência no Ministério Público daquela cidade e lá foi ela com a filharada.

As promotoras , dra. Caroline Pestana; dra. Deise Poubel , o promotor dr. Anibal Tamaoki e o funcionário dr. Sandro, foram extremamente humanitários. Além de acionarem a Ação Social, transcenderam, praticando o ato magnanimamente humanitário de se cotizarem e enviar alimentos, visto o estado de vulnerabilidade da família.

Foi verificado que ela precisa de acompanhamento jurídico e, de Viçosa, entra em cena o incansável defensor público dr. Glauco Rodrigues que conseguiu assistência gratuita em Fabriciano, na Unileste – Faculdade de Direito.

Pari passu, entra em cena uma vizinha, cujo filho Maicon sabe ler, e anotou os endereços do professor para dona M.

Aquela senhora não-cigana, dona Otília, se preocupa mais com os mais pobres do que com ela e sua família (primeira transgressão).

Ela também não exclui nem despreza pessoas da etnia cigana, como o fazem tantos pelo Brasil e o mundo (segunda transgressão).

E quando, emocionada, ouvi dela ” a rente faz o que pode pra ajudá eles, cada um aqui dá um pouco”, é que percebi que é nordestina.

É, essa mulher aprendeu a subverter a ordem com maestria. Perigosamente. (Saí a terceira transgressão: claro que sabe votar)

 

* Bernadete Lage é professora e ativista dos direitos humanos e da causa cigana

2 comentários sobre “A solidariedade dos excluídos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s