Na tragicomédia brasileira, o mordomo escapa da degola com ajuda do juiz

por Sulamita Esteliam

A peça encerrou-se como tragicomédia: dentre mortos e feridos salvaram-se todos, menos a vergonha nacional.

Por quatro votos a três, cantados em versos e prosa desde o dia anterior ao encerramento, o Tribunal Superior Eleitoral deixou o mordomo no posto que não lhe pertence.

Gilmar Mendes, o presidente tucano do TSE, deu o voto de Minerva, por “responsabilidade”. E o fez se contradizendo ao admitir que havia provas de “graves crimes”, mas, ” não é para cassar mandato”.

Um doce para quem imaginar qual seria a atitude do senhor feudal do Mato Grosso se, no lugar de Temer, o mordomo usurpador, estivesse Dilma, a presidenta legitimamente eleita.

O lado bom, sempre há, da patranha, é que o que o fruto de uma trapaça já nasce podre, e se dissolve ao ser colhido.

Além do que, o Judiciário, mais uma vez, sai muito mal na foto. Não resta dúvidas de a que veio e a quem serve, e esse quem não é o povo que carrega este país no lombo.

Há que se registrar: o relator cometeu ilegalidade ao recorrer a depoentes sobre o que seriam evidências que só vieram à tona depois da ação em trâmite, e que não foram citadas pelo litigante.

A essa altura do campeonato, não se permite dúvidas, nem mentes (sem intenção de trocadilho) hipnotizadas. Até as crateras deixadas pelas mineradoras na Serra do Curral, que adorna a minha Macondo, sabem que não foi por pudor ou moral que o derrotado na eleição presidencial de 2014 entrou com a ação para caçar a chapa vencedora.

Tem-se, agora, por artes e manhas de um empresário-corruptor dedo-duro exibicionista, até um áudio em que o autor da demanda confessa que foi só “para encher o saco deles” – no caso Dilma Rousseff e o PT.

Pois é do gesto próprio dos inconsequentes, em consonância com a compulsão de traíra do usurpador, que resultou a lambança em curso. Dá até título de filme: Dois golpistas em jornada suja.

De qualquer forma, agora, o jogo está embolado no meio de campo, e há três bolas em jogo, duas delas com o STF:

1) Julgar o recurso que o Ministério Público tem obrigação de fazer ao STF para que decida sobre o que o TSE se livrou de fazer. E aí  é curioso, porque a Corte não poderá se eximir da responsabilidade, ela que tem preferido a porta do lado, ou o país não teria chegado ao precipício.

2) Já que de política se trata, é a chance de colocar em pauta o mandato de segurança pela anulação da fraude do impeachment de Dilma Rousseff, e assim resgatar de uma só tacada, a soberania popular e a credibilidade e a integridade do Supremo.

O que será que será? Usemos o benefício da dúvida. O resultado nos sinaliza se há salvação fora do espúrio como meio de vida ou o quão profundamente nos atolamos no pântano.

A terceira via, ora veja só, é o Congresso autorizar ao STF o processo criminal  por associação criminosa, dentre outras cozitas más, contra o mordomo usurpador.

Registre-se, que, aliás, devolveu nesta sexta à Polícia Federal a prova de sua minoridade humana: um questionário sem respostas, depois de pedir adiamento de dois dias, concedido pelo ministro Edson Fachin, relator-herdeiro da Lava Jato e seus tentáculos desdobráveis.

Cara dura: esperou o resultado do TSE para formalizar a recusa.

E o povo com isso?

A rua é o lugar que lhe cabe. A rua é a frente de batalha. Sua voz e seu voto são as armas contra os barões da desfaçatez.

Mas não basta gritar por diretas, já! e por nenhum direito a menos. Tem que sacudir quem pode mudar o rumo da partida. E esse quem é o STF.

Tem que exigir que o STF anule a farsa do golpe.

O restabelecimento da normalidade democrática passa pelo volta, Dilma! Ela, uma mulher honesta, que foi derrubada por uma quadrilha, sem burla constitucional a sustentar o processo de impeachment.

É preciso chama-la de volta para fazer a transição, que passa pela reforma política via Constituinte e, aí sim, eleições gerais.

Não se iluda. Está tudo armado para a sucessão indireta. E o espetáculo do TSE é apenas um entreato dessa ópera bufa reencenada através dos tempos nesse Brasil de meu Deus.

Não, não surtei, ainda. Apenas acho que a gente não pode contentar com remendos.

É essencial lutar pelo necessário indispensável.

 


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s