Enfim, boas notícias: em nome das mulheres e da dignidade humana

Elenora Menicucci recebe o axé das conterrâneas do grupo Linhas do Horizonte, dia 14 passado, na Casa do Jornalista em BH – Foto: Alejandra Coronel/Midia Ninja
por Sulamita Esteliam

Hoje foi dia de boas notícias, e por isso vale postagem dupla no A Tal Mineira. Andamos mesmo precisando de algum refresco em meio a tanto descaminho, tanta mesquinharia e desfaçatez.

O melhor é que as boas novas, pasme, veem exatamente da Justiça. Sim, é muito bom quando funciona com justiça, a bem da cidadania, por que traz equilíbrio à sociedade. Além do que, do funcionamento pelo avesso, já estamos fartos.

Eleonora Menicucci, secretária de Política para Mulheres do governo Dilma, não vai ter que pagar mais a absurda indenização de R$ 10 mil a Alexandre Frota, dublê de ator pornô e consultor para a Educação do desgoverno, como havia determinado uma juíza de primeira instância, meses passados.

Condenação que se deu a título de “danos morais”, por conta de uma crítica feita por Eleonora, quando do golpe parlamentar-jurídico-midiático que violou a Constituição para usurpar o governo legítimo da presidenta Dilma.

A ex-ministra criticara a postura do novo ministro da Educação, à época interino, que recebeu Frota para ouvir conselhos sobre a famigerada “escola sem partido”. Lembrou que o ator havia feito apologia ao estupro num programa de TV.

Não obstante a relatoria pela confirmação da sentença, que há de ficar na história como objeto de estudo para os operadores de direito, a segunda estância acatou o recurso de Eleonora.

Vitória que merece celebração pelo que representa para as mulheres num país onde a cultura do estupro não carece de incentivo.

Melhor deixar que a própria Eleonora fale a respeito. O vídeo é do Brasil de Fato:

 

 

A outra boa noticia é a liminar concedida pela ministra do Supremo, Rosa Weber, contra a Portaria 1.229/2017, do Ministério do Trabalho, que praticamente restaura o trabalho escravo,  ao alterar o conceito e criar barreiras para a fiscalização da prática.

Embora reste o julgamento do mérito da Arguição do Descumprimento de Preceito Fundamental , impetrada pela Rede Sustentabilidade, a decisão suspende os efeitos perversos da des-medida.

Como este e outros blogues “sujos” criticaram, a alteração do conceito de trabalho escravo atenta contra os direitos humanos e a proteção ao direito ao trabalho digno.

Ministra Rosa Weber – Foto: STF

Assinala a ministra do STF, que a portaria “afeta as ações e políticas públicas do Estado brasileiro” e “sonega proteção adequada e suficiente a direitos fundamentais nela assegurados (…)”.

Rosa Weber busca a legislação internacional sobre o tema para lembrar que “a ‘escravidão moderna’ é mais sutil e o cerceamento da liberdade pode decorrer de diversos constrangimentos econômicos e não necessariamente físicos”.

“A violação do direito ao trabalho digno, com impacto na capacidade da vítima de realizar escolhas segundo a sua livre determinação, também significa ‘reduzir alguém a condição análoga à de escravo.”


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s