De revoltas e revoluções, ainda que tardias…

A bandeira do estado, orgulho pernambucano, vem de 1817 – Foto capturada no Diário do Agreste
por Sulamita Esteliam

O 6 de março é feriado em Pernambuco, por força de lei comemorativa do bicentenário da Revolução de 1817. Portanto, é o primeiro a celebrar a Data Magna, instituída por lei há mais tempo, mas já em anos adiantados deste século.

Passou, sem que Euzinha pudesse explicar aqui o motivo do gozo, agora de caráter popular.

Ainda que o assunto já tenha sido tratado pelo A Tal Mineira, em tempos idos, vale recobrar, pois trata-se de episódio pouco conhecido da História do País.

A data celebra quando essas bandas experimentaram república por exatos 74 dias, com direito a embaixador em Washington e em Paris, e bandeira própria – a mesma que vigora  desde então.

Uma revolução tramada por comerciantes e militares maçons, em associação com o baixo clero, precipitada por estado de ânimo mercurial de um certo Leão Coroado, capitão da guarda, no dia 6 de março.

Os jornais locais, em sua maioria, e dentro do espírito pernambucano de ser o primeiro, o melhor e o maior em tudo, insistem em colocar a Revolução de 1817 como sendo a primeira revolução digna do nome no Brasil.

No século XIX, é bem verdade. Fato também que tornou Pernambuco o primeiro estado independente da Coroa, ainda que por breve tempo.

Louvável a bravura pernambucana e o espírito de pertencimento dessa gente. Entretanto, não se pode adaptar a História.

Desde a primeira metade do século XVIII, portanto antes da Coroa se instalar no Brasil, sedições, revoltas  e rebeliões, permearam o cotidiano da colonia, sobretudo na Capitania das Minas Gerais.

A principal delas , a Conjuração ou Inconfidência Mineira, deu-se em 1789. A exemplo dela, 10 anos depois, a Conjuração Baiana, também não teve tempo de eclodir militarmente.

Todas foram sufocadas com rigor e violência pelos prepostos do rei, mesmo que ao custo de plantar heróis locais e, até, nacionais segundo as repercussões e conveniências políticas.

Vide Felipe dos Santos, na Vila Rica de 1720, justiçado pelo Conde de Assumar para “dar exemplo” ao povo.

E, especialmente, o alferes Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes.  Enforcado, decapitado, esquartejado, salgado e expostas suas partes em praça pública colônia afora, em 1792 – para nenhum aventureiro se arrogar em revolucionário.

“A Conjuração teria início com um motim – que ocorreria no mês de fevereiro, em Vila Rica, quando fosse imposta a “derrama”. Se vitoriosos, os conjurados deflagariam a rebelião em toda a capitania. Seu planejamento incluía o anúncio da declaração da independência de Minas e a definição dos instrumentos necessários para sua implementação sob a forma da República.

(…) Não é difícil divisar nos planos da Conjuração Mineira os traços da inovação constitucional de uma República Confederada – uma espécie de comunidade de estados independentes, cada um mantendo sua autonomia legislativa.

(…) A expectativa dos conjurados não era ganhar a guerra militarmente e expulsar as tropas lusas. Era exaurir a metrópole, inclusive economicamente, fazendo a Coroa negociar.

Mas os mineiros ficaram sozinhos. Nenhuma outra capitania se aliou à Conjuração.

(…)A Conjuração Mineira fracassou. Mas as revoltas nunca mais seriam as mesmas na América Portuguesa.”

(Lilia M.Schwarcz e Heloísa M.Starling, Brasil, uma Biografia – pgs. 144/147)

Joaquim Silvério dos Reis, como se vê, foi apenas um dos X-9 , o que passou para a História.

Traição de um lado, precipitação de outro.

A ferro, a fogo, sangue, mortos aos milhares, e alguma trapalhada, a Revolução de 1817 conseguiu implantar a República, ainda que de caráter regional e efêmero.

No próprio Recife, 100 anos antes, a Guerra dos Mascates, de 1710, teve caráter pioneiro.  Durou menos de um ano, e teve como resultado provincial a mudança de sede da Capitania de Pernambuco, antes em Olinda.

Reside aí o embrião do anseio de tornar Pernambuco independente. Foi a primeira vez que uma revolta questionou o poder da Coroa e reivindicou autogoverno, “contaminando”, por assim dizer, o ambiente inflamável da Colônia.

A ojeriza do brasileiro em pagar impostos vem dessa época, e alimentava o espírito das revoltas, a maioria burguesas, já abundantes, até então sem questionar o governo monárquico.

 

 


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s