A carnificina rompe a barreira dos 250 mil mortos por Covid-19. E a vacina, Ó…!

por Sulamita Esteliam

Há menos de uma semana escrevi que o Brasil se aproximava das 250 mil mortes por Covid-19, e a “mulher da foice” estava a postos para colher muitos mais. Pois nesta quarta-feira, véspera do aniversário do primeiro registro de vítima da pandemia no país, está rompida a barreira: 250.079 pessoas foram tragadas pelo mal. E há 66 milhões de infectados.

Leia > RECEITA DE MOER GENTE E DISSOLVER PAÍS…

A dor toma a proporção de uma hecatombe. É carnificina.

Não é onda, é tsunami, que está longe de arrefecer. Há um mês a média móvel de mortes supera 1000. O registro da média móvel em sete dias é de 1.124, a maior desse quase um ano de espalhamento do dito novo Coronavírus. Significa que tem morrido, em média, mais de 7 mil pessoas por semana ao menos nas últimas quatro semanas.

Sem vacina, sem providências, sem organização que não seja para convalidar o genocídio. A última é que a remessa de vacinas para o Amazonas foram parar no Amapá. Isso porque o ministro da Saúde é um general especializado em logística.

Jogam com a vida das pessoas, sem o menor pudor.

O vizinho Chile, com todos os problemas políticos e sociais recentes, já vacinou 15% de sua população. Lidera na América latina e está entre os 10 países que mais imunizaram sua gente no mundo.

Aqui, apenas 2,6% do está vacinado. Há 30 fábricas de vacina para o rebanho bovino – não é metáfora para o gado mítico -, mas não tem para o povo.

Embora instituições como o Instituto Butantã, em São Paulo, e a Fundação Oswaldo Cruz, no Rio de Janeiro, e nossas universidades, tenham conhecimento e competência para produzir o imunizante, e o SUS expertise inigualável no mundo em campanhas de vacinação.

Não há vontade política, entretanto. Ou melhor, há deliberação para emperrar o processo, para atrapalhar as soluções que se encontram para enfrentar a pandemia e minorar o sofrimento da gente brasileira.

A coisa só não está pior porque outros poderes têm agido para frear os desmandos do Executivo.

Em decisão unânime, o STF autorizou os estados, municípios e o Distrito Federal a importar vacinas contra a Covid-19 já testadas e liberadas em outros páises, caso a Anvisa faça corpo mole para autorizar.

As unidades da federação podem também imunizar sua população com as vacinas disponíveis, desde que aprovadas pela Anvisa. Isso no caso de a agência e o desgoverno não cumprirem o Plano Nacional de Imunização, tanto em prazo como em vacinas em quantidade suficientes.

De sua parte, o Senado Federal aprovou projeto de lei que autoriza empresas privadas a comprarem vacinas, mas tão somente para abastecer o PNI e as prioridades definidas.

Já era tempo.

*******

Fontes recorridas:

Ministério da Saúde

MSN.com

Tijolaço

STF

Revista Fórum

Carta Capital

Um comentário

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s