Em memória das vítimas do rompimento da barragem Córrego do Feijão, mortas e vivas

por Sulamita Esteliam* Sábado, dia 25, completa-se um ano do estouro da Barragem Córrego do Feijão, em Brumadinho, crime que deixou 272 mortos, 259 identificados até agora, mais de duas centenas de viúvas no pequeno município da Região Metropolitana de Belo Horizonte e um rastro de destruição irreparável. O Rio Paraopeba, um dos mais importantes … Mais Em memória das vítimas do rompimento da barragem Córrego do Feijão, mortas e vivas

Quando a conivência e o vil metal falam mais alto, pouco importa a vida

por Sulamita Esteliam Os mortos se contam às centenas na conta que a Vale um dia ainda há de pagar. Oficialmente já se soma 169 vítimas fatais do derrame de lama de rejeitos da mineradora em Brumadinho. Todas identificadas. A procura por desaparecidos continua, mas a essa altura não há qualquer vislumbre de possibilidade de … Mais Quando a conivência e o vil metal falam mais alto, pouco importa a vida

A dor não passa: 10 dias do desastre-genocídio da Vale em Brumadinho

por Sulamita Esteliam Dez dias passados, as 142 mortes confirmadas, das quais 122 identificadas, não nos autoriza a ter esperança de encontrar sobreviventes entre as 194 “desaparecidas” no desastre e genocídio da Vale em Brumadinho. A cerimônia de adeus promovida pelos bravos soldados do Corpo de Bombeiros de Minas, auxiliados por companheiros de outros estados, … Mais A dor não passa: 10 dias do desastre-genocídio da Vale em Brumadinho