Blogagem coletiva nos 6 anos do A Tal Mineira

aroreira-e-a-ditadura-temer-cunha_npor Sulamita Esteliam

Ainda não tinha resolvido como celebrar os 6 anos do A Tal Mineira, completados neste 11 de setembro – 43 anos após a derrubada e morte do presidente do Chile, Salvador Allende, lembrado em uma das duas postagens inaugurais deste blogue – aqui a outra.

Não queria fazer mais do mesmo, apenas  contar postagens, visualizações e visitantes – estes já são quase 190 mil. Até porque, meu hospedeiro faz isso com mais propriedade a cada ano findo no calendário global.

Relembre como foi o ano passado: O 11 de setembro e os 5 anos do A Tal Mineira.

Promovi, ao longo da semana, algumas ligeiras alterações no visual, que, você que me honra com o acesso cotidiano ou eventual, pode ter percebido, ou não. Com ajuda do amigo Carlos Freire, Cajá, ampliei o menu para facilitar a navegação por tema, agreguei foto à chamada de capa, mudei para carmim a cor dos títulos.

(Vou ter que mudar para um tema pago para conseguir substituir o “more” por mais ou coisa que o valha na língua-pátria; o atual não aceita pluggins fora do estabelecido pelo WordPress)

Pequenos detalhes, bem sei.  Mas ando meio descompensada com tudo que acontece no País. Quem não está?

Talvez os golpistas, que não aceitam ser nominados pelo que são. Mas até eles não têm tido, exatamente, motivos para tranquilidade. A voz das ruas, seguramente, há de não deixá-los dormir em paz, até que voltem para as trevas de onde não deveriam ter saído. E quem lamentar que os acompanhe.

Mas, de volta ao blogue, é preciso celebrar o esforço de manter o barco navegando, mesmo sob tormenta.

E Euzinha queria algo diferente, como disse na abertura desta postagem.

Então, minha caçula acendeu a luz, quando me enviou pelo zap-zap os parabéns pelo aniversário do blogue. Pedi a ela, na hora, um textículo para celebrar, e estendi o convite a outras amigas e amigos que, de alguma forma, acompanham o trabalho deste barquinho anão metido a besta.

Foi tudo assim, no rompante, e em cima da perna, como se diz no jargão do gueto jornalístico. A gente foge  do convencional, mas os vícios continuam presentes, a nos lembrar de que matéria somos feitos.

Nem todas as pessoas puderam atender ao meu pedido, exatamente por conta disso. Compreendo perfeitamente.

A ideia da postagem coletiva fez boa colheita, entretanto. Confira mais abaixo. E digo, sem pudor, que outras contribuições podem vir a ser, e foram, agregadas.

Antes, muito obrigada a cada um de vocês que contribuíram com tamanha presteza e carinho. Confesso que fiquei espantada com a profusão de loas, certamente decorrentes do afeto que partilhamos, Euzinha e as pessoas escolhidas à queima-roupa. E olha que tenho a autoestima bem-hidratada…!

Vencemos mais um ano. Certamente o mais turbulento dos 6 anos do A Tal Mineira. Seguimos navegando em águas revoltas e sem terra a vista, num Brasil sacudido pelo golpe. Mas havemos de completar a travessia e recuperar o nosso barco avariado.

Obrigada a todos/as e a cada um/a de vocês que nos ajudam a manter o curso.

Obrigada, também, ao grande Aroeira, conterrâneo Renato, de cujas charges, certeiras como flechas, o A Tal Mineira tem usufruído sem pudor. Como esta que destaco na postagem de aniversário.

cara-retocada

‘É preciso amor pelo que faz’

por Bárbara Esteliam* – de Curitiba

Manter um blogue independente não é fácil, fazê-lo por 6 anos é ainda mais difícil.

Em tempos de jornalismo duvidoso é graças a pessoas como você que a informação circula de maneira mais democrática e crítica.

Seis anos que representam toda a integridade, a dedicação e o compromisso com a profissão que lhe acompanham desde a época da faculdade.

É preciso amor pelo que faz.

Parabéns pelo trabalho, pelo exemplo e pela luta, na internet ou fora (Temer) dela.

Viva A Tal Mineira!

*Estudante de Publicidade e Propaganda na UFPE, em mobilidade acadêmica na UFPR

print-11-set-2016a

A blogosfera é a diferença do golpe atual para 1964

por Elma Heloíza Almeida* – de Brasília

Primeiramente, #ForaTemer.

A internet virou uma arma potente no mundo plugado e conectado em que vivemos. Surge como espaço de defesa do pensamento livre e da liberdade de opinião.

Na blogosfera, as vozes diversas da sociedade plural são ouvidas e alimentadas.

Esta é a diferença para 1964. Uma enorme corrente se formou contra o atual golpe e na defesa da Democracia no Brasil.

O blog da Sulamita faz parte importante desta corrente que reverbera para todas as regiões do país a grande luta da resistência.

Viva a Internet livre!!!!

*Elma Heloíza é jornalista. Dirigiu as redações das TVs Bandeirantes, Record e NBR/EBC no Distrito Federal, dentre outras.

print-11-set-2016c

‘Uma criança, mas já com estrada consolidada’

por Rui Sarinho* – de Olinda

Blogues existem aos montes, mundão afora. Mas, igual ao Nosso A Tal Mineira, a mais pernambucana de todas mulheres-mineiras que já aportaram em Recife, não tem.

Com essa pena maravilhosa, que sai da alma, lá de dentro dos sentimentos de quem faz tudo com amor. Com a dignidade de quem nunca prostituiu suas ideias, nem bajulou os repugnantes patrões que comandam a grande imprensa hipócrita, corrupta e que prega o ódio e os preconceitos contra os mais pobres.

Parabéns!…, Sulamita, pelos 6 anos do blogue, ainda uma criança, mas já com uma estrada consolidada. E muito obrigado, por você ter escolhido o Recife para viver. Muito me orgulha tê-la com Amiga.

Milhões de beijos!!!

*Rui Sarinho é jornalista e radialista

print-11-set-2016a

Jornalista, com orgulho!

por Ana Karla Dubiela* – de Fortaleza (em 12.09.2016)

Tenho comentado em alguns escritos que não tenho mais aquela desenvoltura antiga ao responder à pergunta: qual a sua profissão?

Em dias de golpe, isso pode ser facilmente confundido com “jornalista é aquele que divulga informações falsas, manipuladoras, que atende a interesses da empresa e de seus mantenedores comerciais”.

Mas há honrosas exceções.

Há seis anos, A Tal Mineira é uma delas. Quando leio o blog e vejo a competência disciplinada e antenada da irmã Sulamita, respondo sem pestanejar: – Sou jornalista, sim, com orgulho!

*Ana Karla Dubiela é jornalista e escritora, com mestrado e doutorado em Literatura. Estudiosa de Rubem Braga, tem vários livros editados.

pint12-set-2016

O fim da primeira infância

Eneida da Costa* – de Belo Horizonte (em 12.09.2016)

A Tal Mineira comemora seis anos. Nasceu num 11 de setembro. Um dia no calendário da História. Dia do ataque às torres gêmeas em Nova York (2001). Dia do assassinato do presidente eleito do Chile Salvador Allende durante bombardeamento do Palácio de La Moneda, no que foi o início do golpe militar que levou ao poder o ditador Pinochet ( 1973).

Mais antigamente, morria Hipólito da Costa, considerado o pai do jornalismo brasileiro (1823).

Nesse setembro de 2016, onze dias do impeachment da presidenta Dilma e posse do usurpador e auto-denominado imperador, Mr. Fora Temer A Tal Mineira começa a perder os dentes-de-leite.

Menina precoce, nascida à beira do Córrego Ferrugem, na primeira infância, essa mineira, que é a tal, disse a que veio.

Não precisou de palmada, ao nascer, para berrar e abrir os pulmões.

No ventre de minério, tinha borboletas loucas para voar. E o céu é a web. E a web é o céu.

E assim foi. Não engatinhou.

Como uma potra, se colocou de pé e ganhou o cerrado.

O meio é a mensagem. E a mensagem é clara.

A Tal Mineira nasceu grande. Do tamanho do estranho mundo da internet. Do tamanho de sua autora. Do Tamanho da Sula. Sulamita Estelian. A primeira e única.

Uma mulher enorme, que não cabe dentro da pele que habita. E se esparrama na luta, pela vida, com substância. No único lugar que a cabe. Lugar sem fronteira. A Tal Mineira.

*Eneida da Costa é jornalista, com longo histórico em TV. Trabalha na TV Assembleia, onde ingressou por concurso. Presidiu o Sindicato dos Jornalistas de Minas Gerais

***************

Postagem revista e atualizada em 12.09.2016, às 20:19 horas: 1) para agregar duas contribuições, conforme previsto – chegaram ainda pela manhã, as passei o dia na rua em atividades pessoais; 2) acrescentei três frases no parágrafo 14, para completar os agradecimentos à generosidade de quem, até agora, respondeu à empreitada.

 

 


4 comentários sobre “Blogagem coletiva nos 6 anos do A Tal Mineira

  1. Parabéns Sula! Resistir não é fácil. E você é mestra no assunto. A estrada é difícil, cheia de obstáculos, mas você segue firme! Parabéns, e muita força! Abraços!

  2. Parabéns pelos 6 anos deste maravilhoso blogue. Parabéns pelas relevantes e oportunas matérias de interesse público geral, aqui publicadas ao longo deste sexênio. Seus artigos, sempre alinhados aos fatos tais quais estes acontecem, sem desvirtuá-los, sem manipulá-los, traduzem de forma objetiva e singela a realidade do nosso cotidiano político, econômico e social, fazendo deste bloge um aprazível instrumento de informação e discussão de temas importantes para a sociedade.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s