Está consumado, juridicamente. Salve, Lula!

por Sulamita Esteliam

A foto que abre esta postagem é histórica: o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva recebe do casal de advogados que o defendeu na Lava Jato a certidão do julgamento que confirmou a parcialidade do ex-juiz-inquisidor Sérgio Moro em todos os processos contra ele.

Está consumado, juridicamente. Salve, Lula!

O filho de dona Lindu, entretanto, se manifestou assim, no Twitter:

Este é o Lula. Oficialmente livre e elegível, ele quer o que lhe é de direito moral: o restabelecimento da verdade.

Nada vai lhe devolver os 580 dias de encarceramento, a perda da mulher, do neto e do irmão.

Nada vai resgatar a humilhação e as dificuldades enfrentadas por seus filhos e filha, por sua família.

Todavia, só um sujeito com a fibra de Lula seria capaz de enfrentar a escalada de injúrias e manter a altivez na luta por justiça.

É a própria expressão popular  “levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima” corporificada.

Só para esclarecer: a Corte Suprema finalizou o julgamento sobre a suspeição do ex-juiz Sérgio Moro no processo sobre o Triplex, que jamais foi do Lula.

O placar ficou em 7×4, sendo que a maioria já estava formada no julgamento de março, quando o ministro Marco Aurélio Mello pediu vistas. Ele devolveu o processo com voto contrário, e o presidente Luiz Fux também. Votos previsíveis, assim como o eram os votos de Edson Fachin e Luís Roberto Barroso.

A favor votaram Gilmar Mendes, Carmen Lúcia, Dias Toffoli, Kássio Nunes Marques, Alexandre de Moraes, Rosa Weber e Ricardo Lewandowski.

Relembre o histórico desse julgamento contado aqui no A Tal Mineira. Note que percorreu caminhos bastantes tortuosos, pois afinal Lula se trata. 

Em nota, a defesa do ex-presidente resume:

“A decisão o Ministro Gilmar Mendes confere a amplitude necessária à suspeição do ex-juiz Sergio Moro que foi consolidada pelos recentes julgamentos do Supremo Tribunal Federal. Com essa extensão, que atende ao pedido que formulamos, todos os processos em que o ex-juiz Sergio Moro atuou envolvendo o ex-presidente Lula estão maculados pela nulidade irremediável — de forma que nenhum ato poderá ser reaproveitado em qualquer instância.”

Cristiano Zanin e Valeska Martins

De novo: É Lula Livre, o bandido era o juiz, confirma STF

Dia 23 de março: Moro suspeito, Lula livre e um raro dia feliz, apesar de…

Vai para o terceiro tempo o julgamento da suspeição de Moro nos processos contra Lula

De togada em togada, Supremo institui o VAR coletivo

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s