Consulta pública sai pela culatra da estupidez

por Sulamita Esteliam

O desgoverno deu com os burros n’água, mais uma vez, no que diz respeito à saúde coletiva. Leio que a consulta pública, via internet, sobre vacinação de crianças contra Covid-19, saiu pela culatra da estupidez galopante.

Está na Folha de São Paulo, que acessei a partir do Tijolaço. A “consulta armada”, como bem define o colega Fernando Brito, deu-se, certamente, na expectativa de que a tropa de choque do Coisa Ruim se manifestaria em peso pela exigência da prescrição médica para imunizar crianças acima de 5 anos.

Só que, das cerca de 100 mil pessoas que responderam à convocação ministerial a maioria se disse contrária à exigência despropositada. O des-ministro da Saúde inventou esse absurdo para não cair ainda mais no ridículo da negação da vacina para crianças.

O despropósito não apenas mancha sua reputação médica, se é que o profissional que se respeita pode se dar à chalaça de prestar serviço a um genocida. Constitui crime contra o ECA – o Estatuto da Criança e do Adolescente, que, é bom lembrar, continua em vigor.

O argumento estapafúrdio do ser que desgoverna o Brasil é de que “nem morreram tantas crianças de Covid, assim…”

Até audiência pública se fez para discutir o assunto, nesta terça-feira, 4, oportunidade em que se divulgou a informação.

A secretária Extraordinária de Enfrentamento à Covid-19 do Ministério da Saúde, Rosane Leite de Melo, começa pelo que lhe seria favorável: a maioria é contrária à vacinação compulsória e favorável à prioridade às crianças com comorbidades; mas tbm é contra à exigência de prescrição.

Ora, pela lei que protege crianças e adolescentes, mãe e/ou pai e/ou responsável que não vacina suas crianças, é negligente com a saúde de um ser vulnerável, sob sua tutela. Significa que pode ter a atitude criminalizada.

Assim, é obrigação do Estado proteger sua população vulnerável, mesmo contra a vontade de pai e mãe. Está na Constituição e no ECA.

Há mais: limitar a vacina à prescrição é o mesmo que tirar o acesso da criança pobre, moradora das periferias e dos grotões, que não tem serviço médico ao seu alcance.

Portanto, fere o dever o Estado transferir a obrigação de proteger a coletividade à responsabilidade individual de profissional de medicina, ou ao bel convencimento de quem as trouxe ao mundo.

Ser mãe e ser pai, aliás, não nos dá o poder de escolha pela possibilidade da morte. O livre arbítrio implica fazer a sua parte, não deixar ao Deus dará.

Então, a consulta tem cor, e cheiro, e gosto de farsa. Diversionismo sujo. Mas isso tampouco é novidade nesse circo Brasil.

*******

Recomendo a leitura da próxima postagem: sobre o inominável e seu nó nas tripas. Fakeada ou diverticulite aguda ativada, desta vez, pela farra ilimitada de fim de ano?

Linco assim que subir o texto, da lavra de Eliara Santana.

*******

Fontes requisitadas:

Tijolaço

Nem na consulta armada os antivacina convencem

Folha de São Paulo

Maioria em consulta pública é contra prescrição médica para vacinar crianças

Conjur

Audiência Pública: Representante do CNJ defende vacinação de crianças

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s